Manifestantes exigem a renúncia do presidente no Iêmen

Milhares de estudantes e advogados foram às ruas de Sanaa hoje, pelo segundo dia consecutivo, para exigir o fim do governo do presidente Ali Abdullah Saleh, disseram testemunhas. Cerca de três mil manifestantes tentaram marchar da Universidade de Sanaa até a praça Al-Tahrir, no centro da cidade, onde partidários de Saleh estão acampados desde a semana passada, mas foram impedidos pelas forças de segurança. Havia barreiras com arame farpado a fim de impedir a movimentação dos oposicionistas.

AE, Agência Estado

14 de fevereiro de 2011 | 10h48

Ontem, a polícia usou cassetetes para dispersar um protesto com cerca de 2 mil pessoas em Sanaa. Uma mulher ficou ferida e dez pessoas foram presas, segundo testemunhas. Os manifestantes são em sua maioria estudantes e ativistas da sociedade civil. Eles cantam slogans pedindo que Saleh, no poder há 32 anos, siga o exemplo do presidente egípcio, Hosni Mubarak, forçado a renunciar na sexta-feira, no 18.º dia de grandes protestos contra seu regime autoritário.

"Depois de Mubarak, Ali", pediam hoje os manifestantes. "Chega de corrupção." Também havia faixas pedindo o fim do governo. "O povo quer a queda do regime", afirmavam várias delas, usando as mesmas frases dos manifestantes no Egito. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenprotestorenúnciapresidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.