Manifestantes exigem renúncia de premiê do Paquistão

Um inflamado clérigo contrário ao governo do Paquistão liderou neste sábado uma grande manifestação na capital, Islamabad, para exigir a renúncia do primeiro-ministro Nawaz Sharif.

Estadão Conteúdo

16 de agosto de 2014 | 10h33

O clérigo Tahir-ul-Qadri e a ex-estrela do críquete Imran Khan atraíram dezenas de milhares de pessoas para dois protestos paralelos na capital paquistanesa. Eles exigem que Sharif renuncie por ter supostamente fraudado as eleições de maio do ano passado, mas o premiê se recusa a entregar o cargo.

O desafio dos manifestantes que, segundo eles, continuará até Sharif ceder e abandonar o posto, gera temores de instabilidade política nesta nação que possui armas nucleares e que apenas testemunhou sua primeira transferência democrática de poder no ano passado.

Em discurso, Qadri exortou simpatizantes a continuarem protestando até que conquistem o que chamou de "revolução pacífica". A manifestação encabeçada por Khan, que hoje é parlamentar, ocorre nas proximidades.

Khan e Qadri prometeram mobilizar 1 milhão de manifestantes nas ruas de Islamabad, cuja população é de cerca de 1,7 milhão de habitantes. A polícia estima que cerca de 10 mil pessoas compareceram ao protesto liderado por Qadri.

Logo após o discurso de Qadri, o ministro sênior do gabinete, Ahsan Iqbal, pediu aos dois líderes de oposição que relaxem a exigência de renúncia de Sharif. "Nós esperamos que Imran Khan e Tahir-ul-Qadri mostrem flexibilidade" para acabar com a instabilidade política, disse Iqbal.

Qadri, que tem a cidadania canadense, comanda uma fiel seita de milhares de pessoas por meio de sua rede de mesquitas e escolas religiosas no Paquistão. Khan, por sua vez, lidera o partido Tehreek-e-Insaf (Movimento Paquistanês pela Justiça), o terceiro maior bloco político do Parlamento paquistanês. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãomanifestações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.