AP
AP

Manifestantes exigem renúncia do presidente da Geórgia

Oposição afirma que Saakashvili não pode liderar o país por conta sua relação antagônica com a Rússia

AE-AP, Agencia Estado

09 de abril de 2009 | 12h16

Milhares de manifestantes tomaram as ruas em frente ao Parlamento da Geórgia nesta quinta-feira, 9, exigindo que o presidente, Mikhail Saakashvili, deixe o cargo, na maior demonstração de oposição depois da guerra com a Rússia, no ano passado.

 

A oposição culpa Saakashvili, um advogado formado nos Estados Unidos que construiu laços próximos com Washington, pela desastrosa guerra ocorrida em agosto de 2008 e diz que ele não pode liderar a Geórgia por causa de sua antagônica relação com Moscou. Saakashvili, por sua vez, tem prometido completar seu mandato, que termina em 2013.

 

O protesto foi realizado no dia em que se completam 20 anos de uma violenta manifestação contra os soviéticos, que estimulou a luta da Geórgia para obter autoridade própria e levou a nação a declarar independência dois anos depois.

 

Entre os políticos que se uniram à oposição após a guerra do ano passado estão o ex-porta-voz do Parlamento Nino Burdzhanadze, que era um dos maiores aliados de Saakashvili, e Irakli Alasania, que era embaixador da Geórgia na Organização das Nações Unidas (ONU). O ex-ministro do Exterior Salome Zurabishvili também liderou um grupo de manifestantes nesta quinta-feira.

 

"O povo vai eleger um novo governo que terá confiança e forte apoio e também terá uma chance real de começar a dialogar com a Rússia", disse Alasania antes da manifestação. O presidente russo, Dmitry Medvedev, tem dito que vai se recusar lidar com Saakashvili, que os líderes russos classificam como "sanguinário" e "desequilibrado".

 

Na terça-feira, Saakashvili pediu para conversar com a oposição, mas o pedido foi recusado. "Só poderá haver diálogo com o governo sob uma condição: a renúncia de Mikhail Saakashvili", afirmou Levan Gachechiladze, que concorreu com o atual presidente nas eleições do ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
protestoGeórgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.