Manifestantes fazem Dia de Fúria contra governo russo

Milhares de manifestantes se reuniram em dezenas de cidades russas hoje para protestar contra o governo do primeiro-ministro Vladimir Putin, depois que grupos de oposição fomentaram uma indignação sobre os problemas econômicos do país. A polícia de choque reprimiu os cerca de 100 militantes que foram às ruas de Moscou para um comício não autorizado. Os policiais detiveram uma dúzia de ativistas e bloquearam as ruas para impedir os manifestantes de marcharem.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

20 de março de 2010 | 20h44

A polícia também prendeu um punhado de manifestantes nas cidades de Arkhangelsk e Novosibirsk, reportou a imprensa local. Apelidado como o "Dia de Fúria", os comícios por todo o país estão sendo organizados por uma miscelânea de grupos - ativistas de direitos humanos, o Partido Comunista, o movimento oposicionista Solidariedade e a Federação dos Motoristas - em uma tentativa de transformar o descontentamento disseminado em algo maior.

A sequência de protestos começou no extremo leste do porto de Vladivostok, onde mais de mil manifestantes se reuniram na neve segurando cartazes e gritando "Não aos impostos" e "Chega de oligarquias indulgentes às custas do povo!".

Em São Petersburgo, cerca de mil manifestantes aplaudiram uma lista de exigências que vão desde a demissão do governo até a redução dos preços dos serviços municipais. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiaprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.