Mohamed Amine ben Aziza/Reuters
Mohamed Amine ben Aziza/Reuters

Manifestantes jogam pedras no presidente da Tunísia

'Povo quer a queda do governo e nova revolução' pediam, durante cerimônia de 2 anos do início da Primavera Árabe

AE, Agência Estado

17 de dezembro de 2012 | 16h33

TÚNIS - Manifestantes jogaram pedras e tomates contra os líderes da Tunísia nesta segunda-feira, 17, durante uma cerimônia que marcava os dois anos do começo das revoltas que derrubaram regimes autoritários em todo o mundo árabe. Cerca de três mil pessoas enfurecidas com o governo liderado por islamitas exigiram empregos e protestaram no evento.

Eles jogaram objetos e vaiaram o presidente Moncef Marzouki, que pediu paciência e disse que nenhuma "varinha mágica" poderia reduzir o desemprego. Mas os manifestantes reclamaram que eles viam pouca melhora na região desde a posse do novo governo.

Algumas pessoas seguravam placas com palavras de ordem. "O povo quer a queda do governo e uma nova revolução", dizia um dos cartazes. Marzouki e outras personalidades tiveram de ser escoltados para fora do palco.

A cerimônia desta segunda-feira marcava os dois anos desde o dia em que um vendedor de rua se matou com fogo em protesto contra o regime do presidente Zine El Abidine Ben Ali. A ação de Mohamed Bouazizi desencadeou demonstrações que se espalharam por toda a Tunísia e vários outros países árabes.

Nas últimas semanas, a economia em estagnação da Tunísia alimentou um impasse entre o partido dominante e o principal sindicato do país. Os radicais islamitas tunisinos também passaram a demonstrar sua insatisfação e os protestos de jovens descontentes por vezes acabaram em violência.

As informações são da AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.