Efe/STR
Efe/STR

Manifestantes jogam sangue na casa do premiê tailandês

Protesto dos seguidores ex-líder tailandês deposto tenta forçar o governo a antecipar eleições

Efe

17 de março de 2010 | 06h10

Milhares de manifestantes conseguiram romper o cordão policial montado em torno da casa do primeiro-ministro da Tailândia, Abhisit Vejjaviva, e jogaram na entrada dezenas de litros de sangue previamente retirado de voluntários.

 

Após várias horas de pressão, as centenas de policiais que vigiam a casa, com quatro veículos à entrada, foram obrigados a abrir passagem aos manifestantes, que colocaram o sangue diretamente na porta ou dentro de bolsas de plástico arremessadas.

 

Depois de perto de meia hora, os líderes do protesto se retiraram e o cordão policial voltou a ser formado, sem que os policiais e os membros do Exército no local tivessem recorrido à violência.

Os "camisas vermelhas", que cortaram o tráfico na avenida Sukhumvit, a principal via de Bangcoc, para chegar às imediações da casa do primeiro-ministro, seguem nas imediações do imóvel, mas os líderes deixaram de gritar palavras de ordem.

 

Bangcoc vive seu quarto dia de mobilizações andarilhas dos seguidores ex-líder tailandês deposto, Thaksin Shinawatra, para forçar o governo a convocar eleições antecipadas, mas Vejjajiva segue sem ceder à pressão.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândiaprotestossangue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.