Manifestantes no Timor Leste impedem renúncia do premier

Milhares de manifestantes impediram o primeiro-ministro do Timor Leste, Mari Alkatiri, de participar da reunião em Díli com líderes do partido governante, a Frente Revolucionária para a Libertação do Timor (Fretilin), que deveria decidir sobre sua renúncia, para encerrar a crise no país. A Fretilin teve que adiar o encontro para domingo. Os manifestantes impediram o acesso de seus membros.Cerca de 20 caminhões e ônibus chegaram na sexta-feira à cidade e estacionaram em frente à entrada da sede do Fretlilin. Ao mesmo tempo, outros manifestantes continuavam acampados diante da porta da casa do primeiro-ministro Alkatiri. O porta-voz da Fretilin, Stanislau Da Silva, explicou que a reunião foi adiada porque "alguns membros do comitê central não puderam chegar" à sede, informou a agência australiana AAP.Antonino Bianco, membro do comitê central, contou à rádio australiana ABC que os mais de 2 mil manifestantes gritavam palavras de ordem contra Alkatiri, nas ruas, enquanto no interior da sede os políticos não atingiam o quórum necessário para tomar uma decisão.Dos 81 membros do comitê que deveriam ter comparecido, só chegaram 20, apesar de a sede estar protegida por soldados portugueses, informou a emissora australiana.Delegados da reunião manifestaram seu descontentamento com os mais de 2.200 soldados e policiais internacionais no país. Eles acusaram as tropas australianas, que patrulham o centro de Díli, de não fazer o suficiente para garantir a movimentação do primeiro-ministro.Quando o partido se reunir, amanhã, deverá obrigar Alkatiri a apresentar a sua renúncia, como querem o presidente, Xanana Gusmão, e os milhares de manifestantes que há dias protestam nas ruas da capital. A população pede a renúncia de Alkatiri e aclama o presidente.Gusmão, que na quinta-feira ameaçou deixar o cargo se Alkatiri não renunciasse, teve que voltar atrás. Ele atendeu aos manifestantes e prometeu continuar à frente do Estado.O presidente, considerado um herói nacional, entregou uma carta à Fretilin. O texto, revelado neste sábado à imprensa, acusa o partido de corrupto e de ávido de poder. Xanana pede que a Fretilin escolha um novo líder. Ele observa que a reeleição de Alkatiri, no mês passado, foi resultado de uma votação sob pressão, e deve ser anulada.A atual crise no Timor Leste começou com a dispensa, em março, de 600 militares. Em seguida, os confrontos nas ruas causaram a morte de cerca de 30 pessoas e a fuga de 100 mil. Tropas internacionais tiveram que intervir no país, independente desde 2002. A intervenção de forças da Austrália, Malásia, Portugal e Nova Zelândia foi necessária para deter os confrontos violentos em Díli.A ex-colônia portuguesa obteve a independência da Indonésia em 2002, mas nasceu como um dos países mais pobres do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.