Manifestantes pró-Hamas protestam contra acordo de paz

Milhares de simpatizantes do Hamas protestaram contra as ações de paz do primeiro-ministro palestino Mahmoud Abbas. O grupo fundamentalista islâmico Hamas suspendeu as conversações com o novo governo palestino, que pretendia suspender as ações suicidas contra alvos de Israel.A negativa do Hamas em negociar poderia obrigar Abbas a reprimir o grupo e arriscar-se a enfrentar uma guerra civil ou permitir a continuidade do terrorismo na região. Enquanto prossegue o impasse, funcionários das forças de seguranças palestinas buscam outros mecanismos para desarmar civis.O ministro das Relações Exteriores palestino, Nabil Shaath, culpou Israel pelo rompimento do diálogo entre o grupo militante Hamas e o primeiro-ministro, Mahmoud Abbas ? mais conhecido como Abu Mazen, informa a BBC.Na recente cúpula para discutir a retomada do processo de paz, em Ácaba, na Jordânia, Abbas prometeu pôr um fim ao levante armado palestino. Ele se reuniu com o presidente americano, George W. Bush, e o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon.Um porta-voz do Hamas disse que Abbas abriu as portas para que Israel mate palestinos quando quiser. Mas, de acordo com Shaath, o Hamas ficou irritado com o teor do discurso do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, durante a cúpula. "O Hamas viu Abu Mazen dizer tudo o que agrada os israelenses, mas os israelenses disseram muito pouco do que deveriam em concordância com o plano de paz", afirmou Shaath."Se Sharon tivesse respeitado as regras tão solicitamente quanto Mazen, não teria havido um problema com o Hamas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.