Manifestantes queimam sede do partido de Préval no Haiti

Haitianos protestam contra ida de candidato do governo ao segundo turno das eleições

Agência Estado

08 de dezembro de 2010 | 14h00

Protestos tomaram conta da capital haitiana desde a noite da terça.

 

PORTO PRÍNCIPE - A sede de campanha do partido governante no Haiti, o Unidade, foi incendiada por partidários enfurecidos de candidatos à presidência do Haiti que não foram para o segundo turno. Eles provocaram incêndios e levantaram barricadas nas ruas da capital do país depois que as autoridades anunciaram que o candidato do governo, Jude Celestin e a ex-primeira-dama Mirlande Manigat participarão da fase final do pleito.

 

Veja também:

linkCelestin e Mirlande vão ao 2º turno no Haiti

 

Os resultados, anunciados na noite de quarta, foram prontamente questionados em território haitiano e no exterior, ameaçando provocar agitação num país atingido por uma epidemia de cólera e que ainda se recupera do devastador terremoto de 12 de janeiro deste ano.

 

Manigat, de 70 anos, obteve 31% dos votos, contra 22% para Celestin, no primeiro turno da eleição, realizado no dia 28 de novembro, disse um funcionário eleitoral. Como nenhum candidato obteve 50% dos votos, haverá segundo turno no dia 16 de janeiro para definir o sucessor do presidente René Préval. Mas a eleição pode ainda não estar decidida. Os resultados preliminares colocam o popular cantor Michel "Sweet Micky" Martelly atrás de Celestin por aproximadamente 6.800 votos, menos de 1%.

 

O chefe da missão conjunta da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Comunidade do Caribe disse que as autoridades analisariam a possibilidade de incluir um terceiro candidato no segundo turno se a votação terminasse quase empatada. Um grande número de haitianos denunciou fraudes na eleição a favor de Celestin, e a divulgação dos resultados pode desencadear a volta dos protestos violentos no país.

 

Partidários de Martelly montaram barricadas com fogo perto do restaurante Petionville, onde os resultados foram anunciados, e atiraram pedras em pessoas que passavam pelo local. Tiros foram ouvidos e um jornalista da Associated Press foi roubado. "Se não permitirem a participação de Martelly e Manigat (no segundo turno), o Haiti será incendiado", disse o manifestante Erick Jean. "Continuamos a viver em barracas e Celestin joga dinheiro fora com pôsteres eleitorais", acrescentou. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.