REUTERS/Athit Perawongmetah
REUTERS/Athit Perawongmetah

Manifestantes realizam ato em Hong Kong a favor da polícia

Cerca de 500 pessoas carregavam bandeiras da China e tiraram fotos com policiais; nas últimas semanas, um homem de 70 anos foi morto após tentar desmobilizar barricadas

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2019 | 06h52

Cerca de 500 pessoas realizaram uma manifestação em Hong Kong neste sábado, 16, para apoiar a polícia, depois de uma semana de violência em que manifestantes pró democracia paralisaram o território chinês. Os manifestantes se reuniram em frente aos escritórios do governo com bandeiras da China e Hong Kong e tirando fotos com a polícia.

 

Hong Kong está enfrentando sua pior crise política desde junho desde a retrocessão de 1997. A tensão aumentou nesta semana com a nova estratégia de manifestantes realizando ações simultâneas em vários locais, o que levou à paralisia quase total do metrô e ao fechamento de escolas e shopping centers.

O caso também chegou a várias universidades em Hong Kong, onde estudantes e outros manifestantes com o rosto coberto ocupavam os campi. Alguns treinaram no lançamento de coquetéis molotov, arcos e flechas. No entanto, o número desses manifestantes radicais começou a diminuir na noite de sexta-feira, como na Universidade Chinesa de Hong Kong, onde ocorreram confrontos violentos nesta semana entre ativistas e policiais.

A semana foi marcada pela morte de um homem de 70 anos, que recebeu um tijolo na cabeça ao tentar desmantelar algumas barricadas dos manifestantes, disse a polícia. Dois estudantes alemães, de 22 e 23 anos, também foram presos na quinta-feira por participarem de uma "reunião ilegal".

A mobilização pró-democracia começou em junho com a rejeição de um projeto de lei que autorizaria extradições para a China continental, onde a justiça está sob a influência do Partido Comunista Chinês. O texto foi retirado em setembro, mas os manifestantes expandiram suas reivindicações, que incluem o sufrágio universal para eleger o executivo-chefe de Hong Kong. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChina [Ásia]protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.