John Rudoff / AFP
John Rudoff / AFP

Manifestantes são presos em confronto entre grupos de direita e antifascistas

A Polícia de Portland, em Oregon, informou que 13 manifestantes foram detidos e outros seis tiveram ferimentos leves

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2019 | 06h00

A polícia de Portland, em Oregon, nos Estados Unidos, prendeu pelo menos 13 pessoas neste sábado, 17, quando um grupo de direita protestava no centro da cidade e encontrou um grupo de manifestantes antifascistas.

Centenas de simpatizantes da organização Proud Boys, de direita, encontraram um número similar de opositores antifascistas, conhecidos como antifas. Confrontos isolados eclodiram entre os dois lados e pelo menos seis pessoas tiveram ferimentos leves, apesar dos esforços da Polícia para impedir a aproximação.

Os policiais informaram que apreenderam armas, incluindo sprays químicos, escudos, bastões de metal e madeira, facas e uma arma de choque.

No auge dos protestos, havia cerca de 1.200 manifestantes nas ruas do centro da cidade, segundo a chefe da polícia de Portland, Danielle Outlaw.

As acusações contra os manifestantes que foram detidos incluem conduta desordeira, interferência na polícia, resistência à prisão e uso ilegal de uma arma, disse ela em entrevista coletiva.

Grupos de direita e antifascistas entraram em conflito em Portland várias vezes nos últimos meses, incluindo uma manifestação que se tornou violenta em julho do ano passado.

Horas antes das manifestações de sábado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que estava dando "grande consideração" para designação de antifa como uma organização terrorista.

“Portland está sendo vigiado de perto. Espero que o prefeito seja capaz de fazer seu trabalho corretamente! ”Trump escreveu no Twitter.

 

O prefeito de Portland, Ted Wheeler,  disse que não estava preocupado com os tweets de Washington e elogiou a resposta da polícia.

“A polícia fez um trabalho exemplar de desestabilizar a situação, mantendo os extremistas de ambos os lados separados em sua maior parte e impedindo que as pessoas que queriam se envolver em atos de violência se confrontassem.”/ Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.