NIKLAS HALLE'N / AFP
NIKLAS HALLE'N / AFP

Manifestantes lotam ruas de Londres para pedir novo referendo sobre Brexit

Milhares de britânicos fazem protesto para reivindicar nova consulta popular sobre saída da União Europeia

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2018 | 12h06

LONDRES – Milhares de manifestantes britânicos foram às ruas de Londres neste sábado, 20, para pedir um novo referendo sobre o acordo final do Brexit. A menos de cinco meses da saída da União Europeia, a população discorda do modo como a primeira ministra Theresa May negocia o acordo com Bruxelas.

Os manifestantes vieram dos quatro cantos do país. Foram necessários 150 ônibus para transportar a população para a capital, onde marcharam do centro da cidade até o Parlamento. Membros do movimento “The3Million”, que defende os interesses de cerca de 3,4 milhões de cidadãos europeus que residem no Reino Unido, também marcaram presença.

Em junho, mais de 100 mil britânicos marcharam até o Parlamento para pedir a realização de um novo referendo. A organização estima que o protesto deste sábado seja ainda maior e que conte com pessoas de todos os rincões do Reino Unido.

O objetivo é convencer Theresa May a convocar uma segunda consulta popular sobre o Brexit.Apesar do ambiente festivo da manifestação, a mensagem é grave: a saída da União Europeia prometida pelos políticos antes do referendo de junho de 2016, onde o “sim” ganhou com 52% dos votos, não tem nada a ver com o que está sendo negociado agora.

Os organizadores acreditam que, então, os britânicos que votaram pelo Brexit modificariam agora sua posição ao tomar consciência das consequências reais de sair da União Europeia. O principal problema diz respeito à questão territorial da fronteira com a Irlanda, além das incertezas sobre os efeitos da saída.

 “Acredito que as pessoas se equivocaram de várias maneiras”, disse o empresário Peter Hancock, que compareceu ao protesto, à AFP. “Queremos seguir sendo europeus. Não vemos benefícios no Brexit”, afirmou Julie, esposa do empresário.

Inflexível, May diz que não fará novo referendo

Apesar da comoção popular, a primeira ministra tem deixado muito claro que não tem nenhuma intenção de permitir que se volte a consultar os cidadãos sobre a questão.

“Agora querem um segundo referendo para volver e se dirigir ao povo britânico e dizer: ‘Oh, sentimos muito, mas acredito que vocês se equivocaram’. Não haverá segundo referendo, as pessoas votaram e o governo levará a cabo essa decisão”, afirmou a primeira ministra na última quarta-feira.

No entanto, o desejo por uma nova consulta popular tem reunido cada vez mais adeptos nos últimos meses, inclusive alguns políticos, como o ex-primeiro ministro Tony Blair.

Na semana passada, Theresa May garantiu a um grupo de empresários que membros da União Europeia estão empenhados em chegar a um acordo sobre o Brexit até dezembro. A postura inflexível da primeira-ministra tem feito com que ela fique cada vez mais isolada e seja alvo de frequentes críticas por parte da oposição e até de aliados. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.