Alex Hofford/EFE
Alex Hofford/EFE

Manifestantes voltam às ruas de Hong Kong pela segunda noite

Manifestantes bloquearam cinco vias no bairro de Mong Kok e desobedeceram as ordens policiais para que saíssem do local

Estadão Conteúdo

26 de dezembro de 2014 | 11h13

HONG KONG - A polícia de Hong Kong deteve 37 pessoas durante a noite, quando manifestantes pró-democracia voltaram para as ruas da cidade pela segunda noite consecutiva, exigindo que os candidatos ao cargo de chefe-executivo do território sejam escolhidos livremente.

A polícia disse em comunicado que os manifestantes bloquearam cinco vias durante a noite no bairro de Mong Kok e desobedeceram as ordens policiais para que saíssem do local. Os detidos têm idades entre 13 a 76 anos. A polícia deteve 12 manifestantes no mesmo bairro na noite de quarta-feira, também em razão do bloqueio de ruas.

A página no Facebook de um grupo ativista chamado Hong Kong Shield (Escudo de Hong Kong) diz que nas duas noites os manifestantes caminharam por três locais onde estavam instalados acampamentos de protesto, cantando músicas de cunho político e segurando guarda-chuvas, objeto que se tornou o símbolo do movimento pela democracia na cidade. Alguns usavam chapéus de Papai Noel e gritavam "eu quero democracia de verdade" em cantonês.

O grupo é liderado, em parte, pela conhecida cantora Denise Ho, nascida na cidade, que foi detida neste mês durante o desmantelamento do acampamento de protestos no bairro de Admiralty.

Em comunicado, a polícia disse que "respeita a liberdade de expressão e de assembleia do público", mas advertiu que os manifestantes "devem evitar realizar reuniões e passeatas públicas por meio da chamada ''ocupação móvel''".

Governo chinês mantém apoio à liderança de Hong Kong

Os líderes do governo chinês destacaram seu apoio a Leung Chun-ying, o impopular líder de Hong Kong, durante sua visita a Pequim nesta sexta-feira.

O chefe-executivo do território reuniu-se com o presidente chinês, Xi Jinping, e com o primeiro-ministro, Li Keqiang, menos de duas semanas depois de a polícia ter desmantelado o último acampamento de protesto, que durante dois meses impediu o tráfego de carros em partes da cidade.

Nesta sexta-feira, Xi disse a Leung que o governo central está satisfeito com seu trabalho no último ano no que diz respeito à reforma polícia, desenvolvimento econômico, melhoria das condições de vida da população e na manutenção do "império da lei para garantir a estabilidade geral de Hong Kong".

Xi acrescentou que espera que o povo de todas as esferas sociais de Hong Kong chegue "a um entendimento mútuo" e preserve a estabilidade social, segundo a emissora estatal Televisão Central da China (CCTV, na sigla em inglês. / AP

Mais conteúdo sobre:
Hong KongprotestosdetidosChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.