Manila irá cooperar com investigação de enviado americano

O governo das Filipinas afirmou neste sábado, 24, que vai prestar toda a assistência ao enviado americano Eric John, que deve visitar o arquipélago em abril para investigar os assassinatos extrajudiciários no país atribuídos às forças de segurança.John é ajudante do escritório do secretário de Estado para assuntos da Ásia Oriental e Pacífico dos Estados Unidos. Ele já depôs no Senado americano sobre as supostas violações de direitos humanos nas Filipinas."Somos aliados dos Estados Unidos na democracia e na proteção dos direitos humanos e ofereceremos transparência no assunto, tanto nos casos de violações por parte da esquerda revolucionária quanto por parte de alguns poucos soldados desorientados", disse o secretário de imprensa e porta-voz presidencial filipino, Ignacio Bunye."O Departamento de Estado americano pode esperar toda a ajuda que for necessária para uma avaliação equilibrada do assunto", acrescentou Bunye.John visitará as Filipinas após o relatório do enviado das Nações Unidas Philip Alston, que acusou as Forças Armadas das Filipinas, de não cooperar na investigação dos crimes envolvendo alguns de seus membros.O comunicado informa ainda que uma equipe da União Interparlamentar (UIP), formada pela senadora mexicana Rosario Green, pela senadora canadense Sharon Castairs e pela secretária do comitê, Ingeborg Schwarz, chegará também em abril às Filipinas para investigar os assassinatos.As organizações de defesa dos direitos humanos e grupos da esquerda denunciam a morte de cerca de 800 ativistas no país, desde que a presidente Gloria Macapagal Arroyo assumiu o poder, em 2001. A maioria é atribuída às forças armadasAs forças de segurança só reconhecem 115 assassinatos de ativistas e 26 de jornalistas durante o período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.