Manning pede desculpas por ter prejudicado os EUA

O soldado norte-americano Bradley Manning se pronunciou hoje na sala de audiência onde a justiça militar dos Estados Unidos decide sua sentença pelo vazamento de informações secretas ao WikiLeaks. Manning pediu desculpas por ter prejudicado seu país e pediu ao juiz militar uma chance para ir à faculdade e se tornar um cidadão produtivo.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2013 | 19h25

O soldado de 25 anos de idade não falou durante todo o julgamento. Sua última declaração pública foi em fevereiro, quando assumiu a responsabilidade por seus atos.

O pronunciamento de Manning ocorreu um dia após um testemunho sobre sua problemática em Oklahoma e pressões psicológicas extremas. Especialistas citaram desordem de identidade porque ele sente uma mulher em um corpo de homem. Um dos psiquiatras disse que Manning tem sintomas da síndrome de alcoolismo fetal e síndrome de Asperger, que é uma espécie de autismo.

"Sinto muito que minhas atitudes tenham atingido pessoas. Desculpem se elas prejudicaram os EUA", afirmou Manning.

O soldado disse que entende o que fez, mas não acreditava no momento que o vazamento de informações classificadas pudesse causar danos aos EUA.

Manning, 25 anos, pode ser sentenciado a 90 anos na prisão pelo vazamento de informações, o que ocorreu enquanto ele trabalhava como um analista da inteligência do exército.

Manning fez uma declaração não juramentada, o que significa que ele pode ser examinado pelos promotores. Ele falou apenas por poucos minutos e pareceu estar lendo um comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMANNINGJULGAMENTOATUALIZA 1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.