Mao ofereceu 10 milhões de mulheres aos EUA

Em reunião com Kissinger, líder chinês reclamou que havia muitas mulheres em seu país e elas tinham muitos filhos

O Estadao de S.Paulo

15 de fevereiro de 2008 | 00h00

Em meio a uma discussão sobre comércio, em 1973, o líder chinês Mao Tsé-tung fez uma inusitada proposta ao secretário americano de Estado Henry Kissinger: enviar aos Estados Unidos 10 milhões de mulheres chinesas que o fundador da República Popular da China achava que estavam sobrando em seu país, o mais populoso do mundo."O senhor sabe, a China é um país muito pobre", disse Mao a Kissinger, segundo um documento divulgado pelo Departamento de Estado. "Não temos muito. O que temos em excesso são mulheres. Então, se você as quiser posso dar algumas ao senhor, algumas dezenas de milhares."A oferta provocou risos entre os membros da delegação americana, que em nenhum momento pensaram que Mao poderia estar falando sério.Apesar de a conversa ter girado em torno de questões de interesse para os dois países, como a necessidade de aumentar o comércio bilateral, Mao continuou falando sobre o excesso de mulheres.Kissinger incentivou Mao, pensado que se tratava de brincadeira. Mas, então, o líder chinês começou a reclamar que seus compatriotas tinham muitos filhos e chegou ao ponto de manifestar o temor de que uma invasão soviética fosse bem-sucedida pelo fato de as mulheres não saberem lutar."Então, você quer nossas mulheres chinesas?", insistiu Mao. "Podemos dar a você 10 milhões. Temos muitas mulheres, elas dão à luz muitos filhos e temos muitas crianças", disse o pai da revolução chinesa. Kissinger, após perceber que Mao estava falando sério, respondeu a seu anfitrião: "Temos de estudar isso."Diante da enxurrada de comentários misóginos, um conselheiro disse a Mao que se suas declarações fossem filtradas poderiam provocar um profundo mal-estar entre a população chinesa. Mao se viu obrigado a pedir desculpas à intérprete que estava traduzindo suas palavras e fez um acordo com Kissinger para que seus comentários ofensivos fossem retirados das gravações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.