Maquinista espanhol admitiu correr, diz testemunha

Um residente da cidade onde um trem descarrilou na Espanha esta semana matando 78 pessoas afirmou que o maquinista disse, minutos após o acidente, que estava correndo demais e não conseguiu frear. Em uma entrevista à rede de televisão Antena 3, Evaristo Iglesias afirmou que ele e outra pessoa acompanharam o maquinista, Francisco José Garzón Amo, a uma área onde outras pessoas feridas estavam sendo colocadas à espera das equipes de emergência. "Ele nos disse que queria morrer", relatou Iglesias.

AE, Agência Estado

28 de julho de 2013 | 10h57

Segundo a testemunha, Garzón contou que "estava muito rápido" e "precisou frear, mas não conseguiu". Garzón, que está preso por suspeita de homicídio negligente, deverá depor ao juiz que lidera as investigações do acidente mais tarde neste domingo (28).

Pela manhã autoridades informaram que os especialistas forenses identificaram os três últimos dos 78 corpos das vítimas do descarrilamento. Os nomes não foram revelados, mas as famílias já foram comunicadas. As autoridades também disseram que sobreviventes e familiares podem recolher pertences que foram deixados pelas vítimas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhatremmortesmaquinista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.