Maradona diz horrores dos políticos argentinos

?Vejo uma selvageria política incrível, ninguém tem bandeira, não se respeita este país de nenhuma maneira", afirmou o ex-jogador Diego Maradona, nesta segunda-feira, sobre a crise argentina.Maradona acrescentou que nada mais o surpreende na Argentina. ?Como se pode renunciar assim a algo tão importante como a Presidência de um país? (Chacho) Alvarez se foi, De la Rúa espera que matem trinta argentinos para depois dizer ´me vou´ com uma tranqüilidade terrível, Puerta não quer entrar nem pela porta nem pela janela: é um descontrole total.""Continuam a ter a mesma soberba de antes, todos estão sujos como um bidê. Primeiro prometem e depois vão ao Congresso e brigam, porque estão calculando quanto podem roubar. Duhalde, Ruckauf, o irmão de Menem, não têm bandeiras. Houve muitos mortos para que eles pudessem calcular quanto vão roubar."Segundo o jornal Clarín, Maradona, em declarações a uma rádio, referiu-se também à violência, afirmando que "é um outro assunto?.?Acho fantástico que o povo faça panelaços, que se sinta no direito de pegar alguma coisa para comer, mas não gosto dos que roubem televisores e se aproveitam da situação?, disse o ex-jogador."Há políticos que se crêem muito espertos e aproveitam, mas já não há o que roubar. São vagabundos. Mas não quero o terrorismo, a violência. Não gostei no outro dia, quando entraram no Congresso, porque isto somos nós pagamos com o nosso dinheiro. É preciso escutar as pessoas que falam pela televisão e querem encontrar uma saída para a crise?, enfatizou.?Os argentinos são os mocinhos do filme, porque querem ser campeões de futebol do mundo, enquanto nossos filhos não têm nem para os sapatos. Já abusaram demais. Não há um que esteja livre de culpa, só pensar como um político é ruim?, disse."Se posso pedir algo?, disse Maradona, ?é que o povo não se confunda. O fato de exigir aquilo a que se tem direito não nos dá permissão para queimar o Congresso, quebrar vidros, roubar. Fico muito envergonhado, porque isso não aparece só na nossa televisão, aparece no mundo inteiro.?Maradona comentou que os argentinos não são os culpados por 30 mil desaparecidos nem pelo dinheiro que o país deve aos Estados Unidos. ?Se Rodríguez Saá lava as mãos agora, é um irresponsável. Se ele gostou de sorrir quando o nomearam, agora que agüente, não pode dizer ?me vou? como se estivesse indo embora de uma loja, e ele sabe disso.?"A política, como a entendem os políticos argentinos, está suja?, afirmou. ?Eles não podem nem falar, nem aparecer na televisão. Quando o povo protestava, eu não vi nenhum sindicalista e nenhum político.?Maradona acrescentou que "são os mesmos que foram prefeitos, governadores, senadores. Pegaram tudo o que dava para roubar. Cagaram em nós tantas vezes, que acham que isso vai continuar, mas o povo já não agüenta mais. Temos que dar-lhes um castigo, mas, atenção, sem violência?. ?A pessoa que quer fazer o bem, que não faz transações, não é político. E já não é do bando deles, porque eles são um bando. No outro dia, no Congresso, houve muito nhenhenhém, bons conchavos. Eles querem cuidar do armazém, mas já não há mais armazém?, afirmou. Finalmente, convidado a enviar uma mensagem de Ano-Novo, Maradona disse que "é difícil dar uma mensagem positiva, porque já estão dizendo de mim, ?o que está dizendo esse tonto?. O povo está sofrendo de verdade?.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.