Marcas do Taleban em atentado não são tão claras

A participação do Taleban na fracassada tentativa de atentado em Nova York não está confirmada. E, caso se confirme, o episódio marcaria um divisor de águas no modus operandi do grupo. Sempre usando suicidas, o grupo costuma atuar localmente e contra alvos do governo do Paquistão e Afeganistão ou hotéis e organizações internacionais em cidades como Islamabad e Lahore.

Análise: Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2010 | 00h00

A ação frustrada em Nova York teria ocorrido sem suicidas, e - segundo o post da internet - para vingar-se da morte de membros da Al-Qaeda no Iraque, no dia 18. Essas diferenças provocam algumas perguntas. Por que o Taleban do Paquistão decidiu agir em Nova York, com uma logística bem mais complicada, em vez de atacar no Afeganistão e no Paquistão? Por que se vingar da morte de membros iraquianos da Al-Qaeda, quando dezenas de integrantes paquistaneses do próprio grupo já foram mortos por forças dos EUA nos últimos anos? A milícia Taleban possui forte aliança com a rede de Osama bin Laden, mas são organizações distintas.

Por último, não está claro como o Taleban teria organizado em menos de duas semanas essa operação. De qualquer forma, uma ação parecida, atribuída a Al-Qaeda, fracassou na Escócia há três anos. Naquele caso, os responsáveis eram militantes ligados à Al-Qaeda. Desta vez, também faria mais sentido a Al-Qaeda, e não o Taleban, estar por trás da ação.

Isso sem descartar a possibilidade de terroristas domésticos dos EUA, sejam eles de grupos islâmicos ou supremacistas.

É CORRESPONDENTE DO "ESTADO" EM NOVA YORK

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.