Marco Aurélio nega fracasso em negociações com Irã

O assessor internacional do Palácio do Planalto, Marco Aurélio Garcia, disse hoje que "não houve fracasso" nas negociações com o Irã intermediadas pelo Brasil. Para Marco Aurélio, esta é a tese dos "fracassomaníacos". Já o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, comentou que presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi o primeiro que pediu ao presidente Lula para se interessar pelas negociações com o Irã.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

24 Maio 2010 | 21h10

Na opinião de Marco Aurélio, o acordo com o Irã não prejudicou a relação com os Estados Unidos. "As relações entre Brasil e EUA nos últimos anos são muito boas. Não acredito que esse episódio venha turvar as relações. Acho que os países são respeitados quando eles expressam seus pontos de vista. País dócil, países que ficam de cócoras, governos que ficam de cócoras, não são respeitados. Se transformam em moças de recado. O Brasil não é moça de recado, o Brasil respeita os Estados Unidos, sabe o papel que os Estados Unidos têm no mundo, mas o Brasil tem suas opiniões. E essa foi uma ocasião de expressar opinião", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Irã programa nuclear acordo fracasso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.