AFP / ELIOT J. SCHECHTER
AFP / ELIOT J. SCHECHTER

Marco Rubio anuncia pré-candidatura pelo Partido Republicano

Um dos favoritos entre os nomes da oposição, senador da Flórida formaliza intenção de disputar a Casa Branca um dia depois do anúncio da democrata Hillary Clinton; crítico à reaproximação dos EUA com Cuba, ele se opõe também ao acordo com Irã

O Estado de S. Paulo

13 de abril de 2015 | 19h50

MIAMI, EUA  - Diante de uma empolgada plateia e alternando frases em inglês e em espanhol, o cubano-americano e senador pela Flórida Marco Rubio anunciou nesta segunda-feira, 13, que concorrerá nas primárias do Partido Republicano que definirão o candidato da legenda para as eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos. Rubio disse ser “singularmente qualificado” para representar o partido. 

“Porque eu acredito que nossa própria identidade como uma nação excepcional está em jogo e porque posso fazer a diferença como presidente”, afirmou o senador em seu discurso ao anunciar sua pré-candidatura. “Se o sonho americano se tornar impossível, então, nós nos tornamos um outro país.” 

O senador informou primeiro aos seus doadores de campanha que seria pré-candidato. Ainda hoje, mais cedo, ele conversou com alguns dos principais em uma conferência e afirmou que as próximas eleições gerais serão um ponto de inflexão entre o passado e o futuro. 

Nesse contexto, disse que sua rival democrata mais direta, a ex-secretária de Estado Hillary Clinton, encarna um líder do passado e o que os EUA precisam, segundo sua opinião, é de um líder para o futuro, um compromisso para o qual disse estar pronto. Hillary anunciou no domingo sua pré-candidatura. 

O local do discurso de hoje, a Torre da Liberdade, é um marco da chegada de milhares de exilados cubanos que fugiram do regime comunista da ilha nos anos 1960. 

O futuro candidato deve fazer da política externa um ponto forte da campanha, que pretende mostrá-lo como o republicano mais preparado para lidar com as ameaças aos EUA em um mundo caótico. 

As críticas ao republicano, porém, começaram hoje mesmo. Durante o discurso, organizações comunitárias, imigrantes ilegais e os chamados “dreamers”, os imigrantes que chegaram aos EUA ainda crianças, foram ao local para protestar contra as “posições contraditórias” do senador sobre imigração.

“As famílias de imigrantes estão cansadas da inconsistência do senador Marco Rubio com relação à imigração”, destacou em comunicado a Coalizão de Imigrantes da Flórida (FIC).

Rubio, filho de imigrantes cubanos, liderou a ascensão do movimento conservador Tea Party, em 2010. Aos 43 anos, o mais jovem dos candidatos até agora, viu seu nome crescer entre as apostas para 2016. Sua campanha tentará projetá-lo como um líder da próxima geração e fazer, ao mesmo tempo, um contraste com Hillary – mulher do ex-presidente Bill Clinton – e com Jeb Bush, de 62 anos, cuja família dominou a política republicana por quase três décadas. 

Rubio serviu na Câmara dos Deputados da Flórida entre 2000 e 2008. Ele foi eleito para o Senado, em 2010, e disse que não disputará a reeleição ao cargo se for escolhido candidato presidencial do Partido Republicano. 

Segundo o New York Times e como o senador deixou claro em seu discurso hoje, Rubio priorizará em sua campanha temas que enfatizam a “grandeza americana” e o “sonho americano”, em uma mensagem de otimismo como a de seu recém-lançado livro American Dreams.

Segundo fontes ouvidas pelo Times, ele está ávido para se tonar a “face jovem” do partido para atrair a juventude, negros e hispânicos, que normalmente votam em democratas. Grandes nomes do Partido Republicano dizem esperar que o cubano-americano, que fala espanhol fluentemente, possa atrair especialmente a parcela de hispânicos – a minoria que mais cresce nos EUA e, assim como em 2012, deverá ser determinante para as eleições gerais do ano que vem. 

Desafio. Entre os nomes do partido, o discurso de Rubio está no meio termo, o que, segundo o Times, poderá ser ao mesmo tempo uma vantagem e um obstáculo. 

Enquanto espera conquistar os mais moderados e aqueles que consideram importantes os temas sociais, fiscal e a política externa, ele poderá ter problema para obter apoio entre os eleitores dos primeiros quatro Estados do processo de primárias, que são mais conservadores.

Rubio ganhou credibilidade na base conservadora após derrotar um democrata e o ex-governador republicano moderado na corrida para o Senado. Entretanto, seu discurso é menos radical do que o do senador Ted Cruz, do Texas, que já oficializou sua pré-candidatura, e do governador de Wisconsin, Scott Walker, que também deverá disputar a vaga do partido. / EFE, REUTERS, W. POST e NYT 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Marco RubioCasa BrancaFlórida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.