Luis ROBAYO / AFP
Luis ROBAYO / AFP

Mariangela, a venezuelana que fugiu da fome com um filho na barriga

Com dois primos, ela deixou para trás um filho de 2 anos, o marido e os pais para tentar a vida em outro país e escapar da miséria na Venezuela

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2018 | 00h54

Tomara que nasça, "tomara que seja mulher". Mariangela Ascaño resistiu a uma longa e dura viagem para fugir do governo "perverso" na Venezuela, mas o que parece ser uma hemorragia a alerta para o risco de aborto espontâneo.

Há 20 dias, ela deixou Maracay, no Estado de Aragua, região central da Venezuela, com dois primos. Ficou cansada de que no país onde nasceu há 21 anos "não se encontre nada": nem comida, nem remédios.

"Nós éramos gordinhos e já estamos magrinhos", conta à AFP, enquanto se maquia na parte traseira de um caminhão que a levava ao município de Ipiales, na fronteira entre a Colômbia e o Equador. Ela aplica batom rosa claro e penteia as sobrancelhas. Apesar de tudo, não perdeu a vaidade.

No semestre passado, pesava 75 quilos, mas no dia em que abandonou a Venezuela a balança marcou 15 quilos menos. 

Há um mês, sabe que pode ser mãe pela segunda vez, mas seu estado não a impediu de percorrer os 2.400 quilômetros que separam Maracay de Quito, com a esperança de que a capital equatoriana seja seu novo lar.

"É preciso correr riscos porque ficar na Venezuela é praticamente morrer", afirma. 

Nas mãos dos pais e do marido, ela deixou Jhoangel, seu filho de 2 anos, a quem durante um tempo alimentou com a comida que lhe davam por estudar para ser policial.

Seu marido, Orlando Rafael, um pedreiro a quem o salário já não basta, teve de ficar para trás para cuidar da mãe diabética. Durante a travessia, Mariangela completou dois meses de gravidez. 

Família de anjos

"Disse a ele (Jhoangel) que ia trabalhar e voltaria à noite", lembra. "A despedida foi dura." A desenvoltura com que falava enquanto se maquiava começa a se esfumar.

Com os 6 milhões de bolívares (1,7 dólar no mercado negro de então) que tinha no bolso, pagou uma passagem de casa até a cidade de Cúcuta, principal porta de entrada dos venezuelanos na Colômbia.

O país, em vias de superar um conflito armado de meio século, recebeu mais de 1 milhão de venezuelanos nos últimos 16 meses. Agora, os migrantes também passam por ali como escala para chegar a Equador, Peru, Chile ou Argentina.

Em Cúcuta, sem um centavo, começaram as longas caminhadas e as súplicas por carona. A solidariedade colombiana a surpreendeu. Vários a acolheram, assim como seus acompanhantes, e até mesmo os alimentaram.

"Comi mais do que na Venezuela, nos deram de tudo", diz com sorriso tímido que se abre quando fala que nas últimas duas semanas ganhou cinco quilos. De repente, culpa a gravidez e a comida.

A alegria aumenta quando pensa na possibilidade de seu bebê ser menina, que chamaria Jhoangela. "Assim, os nomes dos meus filhos e eu terminariam em 'angel' [anjo em espanhol]. Uma família de anjos".

Apesar de todo o apoio, os efeitos da distância começam a incomodá-la. O frio das longas noites na estrada, ouvir ocasionalmente a voz de Jhoangel por ligações pelo Facebook, os constantes vômitos e enjoos, e a notícia, em plena travessia, de que o Equador iria endurecer as condições de acesso para os venezuelanos a preocuparam.

Capricho do destino

O governo do presidente equatoriano, Lenín Moreno, começou a exigir passaporte dos venezuelanos diante da chegada diária de milhares de cidadãos vizinhos à ponte fronteiriça de Rumichaca, um documento de difícil acesso para os moradores do país produtor de petróleo pela escassez de papel ou os entraves burocráticos.

Na noite desta sexta-feira (24), a Justiça equatoriana suspendeu a medida de exigência de passaporte. Mas antes disso, a sorte já havia sorrido para Mariangela. Aos 10 anos, começou a praticar uma arte marcial similar ao karatê. Seu rendimento, diz, a colocou como esportista com nível internacional.

Por isso, o governo do falecido Hugo Chávez expediu para ela um passaporte que lhe abriu as portas de Quito na quinta-feira, apesar de ela ter abandonado a modalidade quando ficou grávida pela primeira vez. Seus primos não tiveram a mesma sorte, mas conseguiram uma permissão temporária de estadia.

Ao cruzar a fronteira, ela beijou o documento. A felicidade foi efêmera. Ao sair do banheiro, o absorvente estava manchado de sangue, o que a fez temer um aborto espontâneo. "Pode não ser nada, mas pode ser algo", diz, antes de se preparar para a fria noite equatoriana. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.