Marido da presidente filipina é ligado a escândalo de corrupção

José Miguel Arroyo foi relacionado com várias irregularidades; país é um dos mais corrompidos do mundo

Efe

27 de janeiro de 2009 | 04h31

A oposição das Filipinas envolveu nesta terça-feira, 27, José Miguel Areroyo, marido da presidente Gloria Macapagal Arroyo, em um caso de corrupção em um projeto de construção de estradas financiado pelo Banco Mundial (Bird).   Segundo o senador Pánfilo Lacson, José Miguel Arroyo se reuniu em várias ocasiões em 2002 com Eduardo de Luna, dono da construtora responsável pelas obras, recentemente incluída pelo Banco Munial em uma lista de três companhias que não permitiria participar de suas iniciativas por irregularidades.   Lacson revelou perante uma comissão de investigação que De Luna ofereceu ao marido da presidente um suborno de 70 milhões de pesos (US$ 1,5 milhão) para que sua empresa pudesse assumir o projeto.   Nos últimos meses, José Miguel Arroyo foi relacionado com vários escândalos de corrupção que minaram o mandato de sua mulher. A presidente, no final de 2008, superou o quarto processo de cassação aberto contra ela desde que chegou ao poder em 2001.   As Filipinas são uma das nações mais corruptas do mundo, segundo o Banco Mundial, que lembra aos líderes do país que devem acabar com essas práticas caso não queiram seguir pondo em perigo a chegada de ajuda oficial ao desenvolvimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.