Marinha turca vai escoltar navios para Gaza, diz Erdogan

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, intensificou sua retórica beligerante contra Israel, afirmando que navios de guerra turcos vão escoltar no futuro barcos com ajuda humanitária para a Faixa de Gaza. O objetivo é impedir a repetição do ataque sangrento de Israel contra uma flotilha, que deixou nove mortos no ano passado.

AE, Agência Estado

09 Setembro 2011 | 11h52

As declarações de Erdogan, feitas à rede de televisão Al-Jazeera nesta quinta-feira, representam a primeira vez que o primeiro-ministro afirmou que a Marinha vai usar seus navios para proteger embarcações que tentem romper o bloqueio israelense ao território costeiro palestino.

A Turquia já havia anunciado que elevaria suas patrulhas náuticas no leste do Mediterrâneo em resposta à recusa de Israel em pedir desculpas pelo ataque.

Dan Meridor, ministro israelense encarregado da inteligência, considerou a ameaça de Erdogan "grave e séria". "A Turquia, que declara que Israel não está acima da lei internacional, deve entender que ela também não está", afirmou ele nesta sexta-feira.

Oito turcos e um turco-americano foram mortos a bordo do navio turco Mavi Marmara, que era parte da flotilha internacional que tentava romper o bloqueio que Israel impôs à Faixa de Gaza, em 2007, para impedir que militantes levassem armas para dentro do território.

Turquia e Israel mantiveram relações próximas durante bastante tempo, o que deu a Israel um forte aliado em questões de Defesa e permitiu que a Turquia comprasse equipamentos militares israelense de alta tecnologia.

Mas as relações pioraram bastante após a guerra de Israel em 2008 contra Gaza. Erdogan passou a criticar Israel por causa das mortes de palestinos. O premiê, cujo partido tem suas raízes no movimento islâmico, também adotou uma abordagem mais dura em relação a Israel depois da vitória conquistada em julho, que deu a ele o terceiro mandato consecutivo. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
TurquiaIsraelflotilhaErdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.