Marinha vai inspecionar navios norte-coreanos no oeste do Japão

As Forças Navais de Autodefesa japonesas inspecionarão navios da Coréia do Norte em águas do estreito de Tsushima e de Okinawa, no oeste do país, indicaram fontes do Governo citadas pela imprensa.Segundo o jornal "Yomiuri", que cita fontes oficiais, estas inspeções fazem parte do cumprimento pelo Japão das sanções que o Conselho de Segurança da ONU impôs à Coréia do Norte, em 14 de outubro, em função do teste nuclear realizado por Pyongyang, no último dia 9.A resolução do Conselho de Segurança exige ao regime norte-coreano a suspensão imediata de suas atividades nucleares e proíbe a venda ou transferência a Pyongyang de qualquer tipo de armamento "não convencional".O texto também estabelece o bloqueio aéreo, a proibição de venda artigos de luxo à Coréia do Norte e o embargo das contas no exterior dos dignatários norte-coreanos.Como parte desse dispositivo de controle que deve ser iniciado pelo Governo japonês, se estuda o posicionamento de vários destroyers e aviões de vigilância P-3C das Forças Navais de Autodefesa nas duas áreas citadas.O estreito de Tsushima, junto à ilha japonesa de mesmo nome, separa o Japão da península da Coréia.O estreito é composto pelo Canal Oriental, entre as ilhas de Iki e Tsushima, e o Canal Ocidental, entre Tsushima e a península coreana.Entre 50% e 70% do tráfego marítimo passam pelo Canal Oriental, segundo a informação das Forças Navais de Autodefesa japonesas.O arquipélago de Okinawa está localizado no extremo sudoeste do Japão e em suas ilhas se encontra estacionado o maior contingente das tropas americanas postadas em território japonês.A maior atenção da vigilância japonesa será destinada aos navios que passem por estas regiões com destino à Coréia do Norte.Os detalhes deste plano de inspeção são fruto do trabalho conjunto entre Estados Unidos e Japão iniciado após a visita desta semana a Tóquio da secretária de Estado americana, Condoleezza Rice.Além disso, também poderá participar deste dispositivo a Força Aérea de Autodefesa japonesa com aviões dotados de sistemas de radares AWACS e E-2C, para detectar qualquer movimento suspeito em águas do Japão.As tarefas da patrulha japonesa possivelmente receberão auxílio logístico dos EUA na região, para o abastecimento dos navios americanos que vigiarão as águas internacionais que circulam a Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.