Marinha venezuelana ocupa petroleiro após protesto

Por ordem do presidente venezuelano Hugo Chávez, oficiais da Marinha ocuparam o petroleiro Pilin Leon, da estatal Petroleos de Venezuela SA (PdVSA), cuja tripulação havia ancorado o navio a oeste da cidade de Maracaibo para protestar contra o governo. O petroleiro está carregado com 280 mil barris de gasolina. Enquanto isso, a capital Caracas foi mais uma vez tomada por manifestações, a favor e contrárias a Chávez. Líderes sindicais mudaram a rota de uma marcha da oposição na tentativa de evitar um choque com outra marcha de simpatizantes do presidente. As tropas da Guarda Nacional ficaram de prontidão. Durante a manhã, em discurso transmitido pela televisão, Chávez acusou os líderes da greve nacional de usarem a mesma estratégia que em abril, que tirou o presidente do poder por um breve período - confronto nas ruas, greve geral e fechamento da indústria petrolífera, tudo respaldado pela mídia. "Toda vez que esses setores convocam uma greve é porque eles tem uma carta na manga, uma faca escondida", disse Chávez.

Agencia Estado,

05 Dezembro 2002 | 16h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.