Marinheiros indianos são liberados Nigéria

Cinco marinheiros indianos que foram sequestrados na Nigéria foram liberados, afirmou um porta-voz neste sábado. As vítimas haviam sido capturadas na região sul do delta do Rio Níger, rica em petróleo, e foram mantidos em cativeiro por mais de um mês. Os marinheiros foram sequestrados no dia 17 de dezembro do ano passado, quando o navio SP Brussels estava a 64 km da costa do delta do Níger.

EQUIPE AE, Agência Estado

26 de janeiro de 2013 | 13h34

Um comunicado da operadora do navio, Medallion Marine, informou que os cinco homens se encontravam em bom estado de saúde, e já fizeram exames médicos antes voltarem à Índia.

"Medallion Marine gostaria de manifestar a sua admiração pela tripulação e por todos os seus familiares que têm mostrado grande coragem e força durante essa situação difícil", dizia a declaração.

Companhias de petróleo estrangeiras extraem petróleo no Delta do Níger, uma área de mangues e pântanos do tamanho de Portugal, há mais de 50 anos. Apesar de o governo nigeriano ganhar bilhões de dólares com a atividade, muitos habitantes da região vivem em situação de extrema pobreza, próximos a águas poluídas, e sem acesso adequado a assistência médica, educação ou trabalho. As más condições provocaram uma revolta de militantes e criminosos oportunistas em 2006, quando explodiram oleodutos e sequestraram trabalhadores estrangeiros.

Desde 2009, o governo oferece um programa de anistia a ex-combatentes, que inclui pagamentos mensais e formação profissional. No entanto, poucos no delta dizem ter visto mudanças, já que sequestros esporádicos e ataques na região continuam. No final do ano, a Nigéria costuma sofrer um aumento de crimes, pois nesta época os ricos voltam ao país para comemorar os feriados. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Nigériasequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.