Norberto DUARTE / AFP
Norberto DUARTE / AFP

Mario Abdo Benítez assume a presidência do Paraguai precisando da oposição para governar

Presidente eleito pelo Partido Colorado não possui maioria plena no Congresso e dependerá do apoio de parlamentares da oposição para aprovar projetos; líder opositor se mostra disposto a conversar por 'temas de interesse nacional'

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 12h08

ASSUNÇÃO - Mario Abdo Benítez, do Partido Colorado, assumiu nesta quarta-feira, 15, a presidência do Paraguai com o desafio de estabelecer acordos com oposição, já que não possui maioria plena no Congresso. O novo governante prestou juramento diante do presidente do Congresso, Silvio Ovelar. 

"Seu partido se encontra profundamente dividido e a oposição poderá acompanhá-lo se os seus projetos forem genuínos, democráticos e se demonstrar que seu governo é de abertura", disse o líder opositor Miguel Abdón Saguier, do Partido Liberal.

O Partido Colorado tem 17 dos 45 senadores e 41 dos 80 deputados. As divergências entre os colorados são tão profundas que o ex-presidente do país, Horacio Cartes, do mesmo partido, não compareceu à cerimônia de posse.

Saguier afirmou que os opositores serão tão intransigentes como foram com Cartes "quando ele decidiu quebrar as regras institucionais para promover sua reeleição", em 2017.

Em março daquele ano, manifestantes incendiaram parte do prédio do Congresso, revoltados com a manobra de senadores 'cartistas' a favor da reeleição, com a conivência de uma ala minoritária da oposição.

Os protestos terminaram com um morto e vários feridos. Cartes desistiu da Emenda Constitucional, mas anunciou sua candidatura a senador, cargo que não vai assumir. Benítez teve uma participação ativa nas manifestações contra Cartes.

"Concordamos espontaneamente antes, na defensa da democracia. Por quê não poderíamos concordar agora nos temas de interesse nacional?", afirmou Saguier.

A divisão entre os colorados reduz o capital político de Benítez para enfrentar os primeiros 100 dias de governo. "Este é um tempo fundamental, importante para qualquer governo. Benítez terá que construir legitimidade", disse o analista argentino Daniel Montoya.

A oposição deseja reformas fundamentais no sistema eleitoral, com base em sugestões da União Europeia.

"Eu vou respeitar as instituições", disse o novo presidente algumas horas antes da posse. "Quero demonstrar que meu compromisso é com o futuro da República", completou o político de 46 anos, filho do ex-secretário particular do ditador Alfredo Stroessner.

Mario Abdo Benítez defende o aumento dos impostos para reduzir a desigualdade - a pobreza é calculada em 26,4%, de acordo com números oficiais - e uma ação para corrigir a elevada taxa de informalidade da economia do país, que alcança 40%. 

A cerimônia de posse em Assunção teve as presenças dos presidentes Mauricio Macri (Argentina), Michel Temer (Brasil), Tabaré Vázquez (Uruguai), Evo Morales (Bolívia), Iván Duque (Colômbia), Jimmy Morales (Guatemala) e Tsia Ing Wen (Taiwan).

Com 46 anos, graduado em marketing nos Estados Unidos, "Marito", como é popularmente conhecido, é marcado por ser de uma família muito próxima do ex-ditador Alfredo Stroessner, por isso se esforçou durante toda a campanha em  provar suas credenciais democráticas e republicanas.

Seu pai foi secretário particular de Stroessner. Entre eles havia um parentesco por parte das avós.

"Eu lamento a parte negra da nossa história, mas, como muitos paraguaios, acho que não deve ser uma desculpa para manter uma divisão entre compatriotas. Eu tinha 16 anos quando Stroessner caiu", afirmou recentemente.

Divorciado de Fátima María Díaz Benza, com quem teve dois filhos, Abdo se casou novamente com Silvana López Moreira Bo, filha de uma família da alta sociedade de Assunção.

Marito tem apenas uma irmã e sete meio-irmãos. 

Ele diz ter construído uma identidade própria, apesar de sua origem, tendo sido criado como um pequeno príncipe. Seu pai foi processado por enriquecimento ilícito. Foi um dos primeiros prisioneiros da democracia que se instalou após a queda de Stroessner, mas acabou absolvido.

Benítez juntou-se à militância política dentro do movimento Paz e Progresso, o lema do governo da ditadura. Em 2013, foi eleito senador e, depois, presidente do Congresso em 2015, ano que marcou o ponto de virada e de ruptura de suas relações com o Cartes. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.