AP Photo/Noah Berger
AP Photo/Noah Berger

Mark Zuckerberg explicará vazamento de dados ao Congresso dos EUA

Fundador e CEO do Facebook será ouvido pela Comissão de Energia e Comércio da Câmara dos Deputados em 11 de abril; congressistas esperam esclarecer 'questões fundamentais sobre a privacidade dos dados dos usuários' coletados pela rede social

O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 12h14

WASHINGTON - O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, comparecerá ao Congresso dos Estados Unidos no dia 11 de abril para responder às perguntas dos legisladores sobre o vazamento de dados que ficou em evidência por causa do escândalo envolvendo em empresa britânica de consultoria Cambridge Analytica.

Como o compartilhamento de dados se tornou uma ameaça

Zuckerberg, de 33 anos, responderá às perguntas dos membros da Comissão de Energia e Comércio da Câmara dos Deputados a partir das 10 horas (11 horas em Brasília) sobre "o uso e a proteção dos dados dos usuários da companhia", indicou a comissão em comunicado.

"A audiência será uma grande oportunidade para esclarecer questões fundamentais sobre a privacidade dos dados dos usuários e ajudar os americanos a entenderem melhor o que ocorre com suas informações pessoais online", enfatizaram os congressistas Greg Walden e Frank Pallone Jr., presidente e vice-presidente da comissão, respectivamente.

"Apreciamos que o sr. Zuckerberg deseje testemunhar ante o comitê, e esperamos que ele responda a nossas perguntas em 11 de abril", acrescentaram.

Vilão, gênio ou picareta, o mentor da Cambridge Analytica

O comparecimento de Zuckerberg acontece depois que vieram à tona informações de que a empresa de análise de dados britânica Cambridge Analytica obteve acesso em 2014 a informações de 50 milhões de usuários do Facebook, o que poderia representar uma violação das condições de confidencialidade da companhia.

De acordo com veículos de imprensa britânicos, a empresa de análise de dados, que colaborou com a equipe de Donald Trump durante a campanha eleitoral para as eleições presidenciais de 2016 nos EUA, utilizou essas informações para desenvolver um software destinado a prever as decisões dos eleitores para poder influenciá-las.

Zuckerberg se desculpou através de um comunicado no qual reconheceu o dever da companhia de proteger os dados de seus usuários.

Neste momento, a popular rede social enfrenta pelo menos quatro processos coletivos de usuários e acionistas nos Estados Unidos por causa do vazamento de dados, bem como uma investigação da Comissão Federal de Comércio que pode render multas milionárias. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.