Leah Millis/Reuters
Leah Millis/Reuters

Mark Zuckerberg teme onda de violência nos EUA após as eleições

O CEO do Facebook disse que o país está 'altamente dividido', o que pode gerar um risco de 'agitação civil'

AFP, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2020 | 04h24

SAN FRANCISCO - O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, expressou preocupação nesta quinta-feira, 29, sobre a possibilidade de uma onda de surto de violência nos Estados Unidos após as eleições de 3 de novembro.

"Estou preocupado com o risco de agitação civil em todo o país, já que nossa nação está altamente dividida e os resultados das eleições podem levar dias ou semanas para serem concluídos", disse durante uma conferência com analistas sobre os resultados trimestrais de sua empresa.

A pandemia do corononavírus provocou o crescimento exponencial da votação por correspondência, aumentando o temor de que a contagem demoraria mais do que o normal. De acordo com o Projeto Eleitoral dos Estados Unidos, centro de estudos da Universidade da Flórida, até quarta-feira mais de 81 milhões de eleitores já haviam votado. Espera-se que cerca de 150 milhões de pessoas votem nas eleições.

Nessas circunstâncias, empresas como o Facebook "devem fazer mais do que nunca" para consolidar a confiança no processo eleitoral e evitar que as plataformas sejam usadas para proclamar a vitória de um candidato ou para apelar à violência nas ruas.

Zuckerberg lembrou algumas das salvaguardas implementadas por sua rede social, como a proibição de toda publicidade sobre questões sociais ou políticas em suas plataformas nos Estados Unidos no fechamento de assembleias de voto, para reduzir os riscos de "confusão ou abuso" durante o tempo que for necessário.

“A próxima semana será um teste para o Facebook”, admitiu, ansioso por mostrar que sua empresa aprendeu as lições de 2016, quando aconteceram grandes campanhas de desinformação, algumas delas pilotadas da Rússia.

Nesta semana, a proibição de novos anúncios políticos durante os últimos sete dias de campanha gerou fortes polêmicas. O Facebook foi acusado de deixar passar anúncios da campanha Trump dirigidos aos principais estados dos EUA.

Os comentários de Zuckerberg vêm junto com o anúncio do Walmart de que estava temporariamente removendo armas e munições das prateleiras de seus supermercados. A gigante da distribuição dos Estados Unidos tomou essa precaução após violentos protestos na Filadélfia e em um contexto de fortes tensões políticas que repetidamente terminaram em atos de violência em diferentes cidades nos últimos meses.

No centro de Washington, vários edifícios e empresas começaram a proteger portas e janelas na quarta-feira, em antecipação a eventuais manifestações após o dia das eleições de terça./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.