Martelly assume presidência do Haiti com promessa de acelerar reconstrução

Cerimônia de posse ocorreu no gramado do Palácio Nacional, que foi danificado pelo terremoto.

BBC Brasil, BBC

14 de maio de 2011 | 17h12

O cantor haitiano Michel Martelly assumiu neste sábado a presidência do país mais pobre do continente.

Eleito no segundo turno da eleição, em março, ele prometeu acelerar a reconstrução das áreas do país devastadas pelo terremoto e pôr em prática programas para desenvolver as regiões mais carentes, além de construir um Exército moderno.

Centenas de milhares de haitianos ainda vivem em acampamentos temporários, onde se instalaram após o terremoto de janeiro de 2010.

O país teve de enfrentar também uma devastadora epidemia de cólera.

Desafio

A cerimônia de posse ocorreu no gramado do Palácio Nacional, que foi danificado com o tremor, na capital, Porto Príncipe.

Diante do palácio, centenas de barracas foram montadas pelos desabrigados após o terremoto, lembrando o presidente do grande desafio que tem pela frente.

Mais de mil pessoas se reuniram no local para celebrar a posse. "Hoje o dia é de festa para as massas, porque nosso país foi destruído", disse Esaue René, um mecânico de 28 anos.

Clinton

O ex-presidente René Preval passou a faixa para Martelly, em uma cerimônia acompanhada pelo ex-presidente americano Bill Clinton, que lidera o Comitê para Reconstrução do Haiti, entre outros nomes importantes da política mundial.

Outros desafios a serem enfrentados pelo novo presidente, além das consequencias do terremoto e da cólera, são a economia em ruínas e o legado da violência que predominava no país.

"Seu governo terá de mostrar progresso muito rapidamente, para dar a confiança à população", Mark Schneider, vice-presidente do centro de estudos International Crisis Group, que tem sede em Washington DC.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.