Efe
Efe

Martinelli vence eleição no Panamá, diz Conselho

Candidato do Partido da Mudança Democrática é dono da maior rede de supermercados do país

Agencia Estado e Reuters,

03 de maio de 2009 | 21h12

O empresário Ricardo Martinelli foi declarado pelo Conselho Eleitoral do Panamá o vencedor das eleições presidenciais do país, ocorridas neste domingo, 3. Segundo o Conselho, 43,68% dos votos já foram apurados. Martinelli, do Partido da Mudança Democrática, é dono da maior rede de supermercados do país e venceu a candidata governista, Balbina Herrera, na disputa. As informações são da Dow Jones.

 

Empresário milionário do setor de supermercados, Martinelli teve o apoio da população de baixa renda, a quem prometeu criar empregos e controlar a inflação.

 

Ele ganhou terreno sobre a esquerdista Balbina Herrera, candidata do governante Partido Revolucionario Democrático (PRD), em um momento em que o governo lutava para conter os efeitos da crise global. O vencedor das eleições sucederá o moderado Martín Torrijos, sob cujo governo o país alcançou taxas de crescimento de até dois dígitos, apoiado principalmente na exploração do Canal do Panamá.

 

A crise financeira fará com que o Panamá cresça apenas cerca de 3% este ano, segundo analistas, por conta do esfriamento do comércio mundial e também por uma menor demanda do setor de construção, outrora pujante.

 

Martinelli, um filho de imigrantes italianos educado nos Estados Unidos, prometeu aumentar o gasto público construindo um trem subterrâneo na Cidade do Panamá e apoiando a habitação popular para estimular a construção civil. O empresário tem dito, ainda, que pretende criar um imposto único, com alíquota de 10% a 20%, para atrair investidores estrangeiros que demandam um sistema fiscal mais claro.

 

Martinelli planeja ainda finalizar um acordo de livre comércio com os Estados Unidos, parado no Congresso norte-americano por preocupações relacionadas aos direitos trabalhistas panamenhos e à evasão fiscal.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesPanamá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.