JUSTIN TALLIS / AFP
JUSTIN TALLIS / AFP

Máscara será obrigatória nas lojas da Inglaterra; na França, medida deve começar em agosto

Multas serão de R$ 670 para quem descumprir a medida após 24 de julho

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2020 | 09h22
Atualizado 21 de julho de 2020 | 15h13

LONDRES - Depois de muito debate, o governo britânico decidiu que o uso de máscaras contra a propagação do coronavírus nas lojas da Inglaterra será obrigatório a partir de 24 de julho, uma medida que foi recebida como positiva, embora tardia. O uso de máscara em lojas já é obrigatório na Escócia e em vários outros países europeus.

Na Inglaterra, a máscara é obrigatória apenas nos transportes públicos e recomendada nos espaços públicos fechados do país. O governo informa que decidiu esperar mais dez dias para colocar a medida em prática para "dar tempo às pessoas para se prepararem", de acordo com o ministro do Meio Ambiente, George Eustice. 

Depois de alegar inicialmente que cobrir o rosto poderia ser contraproducente por dar uma sensação de segurança e inibir o distanciamento, autoridades britânicas estão há semanas sob pressão para impor seu uso em ambientes fechados, especialmente por parte do prefeito de Londres, Sadiq Khan.

"A compreensão" sobre a utilidade das máscaras "evoluiu", argumentou Eustice. "À medida que levantamos o confinamento e permitimos que mais lugares abram temos que revisar as medidas em vigor para limitar a transmissão do vírus e controlá-lo", acrescentou. A obrigação não se aplica a bares e restaurantes e aos funcionários de supermercados. Os infratores terão multas de até £ 100 (US$ 125 ou R$ 670), como já ocorre no transporte público.

País na Europa mais atingido pela covid-19, com quase 45 mil mortes confirmadas, o Reino Unido suspendeu a maioria das restrições introduzidas desde que o confinamento foi decretado em 23 de março. A desescalada decidida pelo governo Boris Johnson se aplica apenas à Inglaterra, já que as outras três nações autônomas que compõem o país seguem seus próprios calendários de desconfinamento.

Em um comunicado, a Associação Médica Britânica declarou que o uso de máscaras nas lojas é "muito necessário" e deve ser aplicado imediatamente. Khan aplaudiu a "mudança de opinião" do governo, enfatizando, em entrevista à BBC, que "essa pequena medida pode fazer uma grande diferença quando combinada com outras".

O British Retail Consortium, uma associação profissional do setor de varejo, também elogiou a medida que traz "clareza" após uma série de "mensagens contraditórias" que tornava "realmente difícil as pessoas entenderem o que tinham de fazer".

França

A França também deve tornar obrigatório o uso de máscaras em todos os lugares públicos fechados para conter a pandemia do novo coronavírus, afirmou o presidente Emmanuel Macron nesta terça. "Desejo que a máscara seja obrigatória em todos os lugares públicos fechados", declarou Macron em uma entrevista, mencionando a data de 1º de agosto para a aplicação da medida.

"Saímos de um primeiro pico, todo país se mobilizou, e temos os resultados, já que conseguimos conter o vírus e recuperar uma vida quase normal", explicou. Agora, porém, "há indícios (de que) isso volta a se acelerar. Temos sinais de que recomeça um pouco", advertiu. Macron garantiu que se for necessário o país voltará com confinamentos locais. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.