Massacre da Virginia Tech durou nove minutos e teve 170 tiros

O estudante Cho Seung-hui levou apenas nove minutos para disparar mais de 170 tiros e matar dezenas de colegas e funcionários da universidade Virginia Tech antes de dar um tiro na cabeça, semana passada, disse a polícia nesta quarta-feira, 25."Os tiros dados por Cho dentro do Norris Hall (edifício com salas de aula) duraram aproximadamente nove minutos", disse o chefe de polícia da Virginia Tech, Wendell Flinchum, em entrevista coletiva no campus, transmitida pela TV.Cho matou 30 pessoas e cometeu suicídio no momento em que a polícia corria pelas escadarias para tentar contê-lo, no dia 16, no que foi o pior massacre a tiros na história moderna dos EUA.A polícia ainda não conseguiu esclarecer as motivações de Cho, e nada o liga especificamente a qualquer das vítimas do Norris Hall ou do West Amble Johnston Hall, o alojamento onde duas pessoas foram mortas a tiros duas horas antes."Os agentes levaram cerca de três minutos para chegar à área do Norris Hall depois da primeira ligação para o 911 (serviço de emergência)", disse Flinchum. "Cinco minutos depois, os agentes havia arrombado as portas, arrombado os cadeados e chegado ao segundo andar."As portas do prédio estavam fechadas por dentro, e a polícia pôde ouvir os tiros ao chegar. "Conforme os agentes subiam até o segundo andar, ouviram o último tiro", disse Flinchum.Cerca de 50 pessoas se feriram, algumas a bala, outras saltando as janelas para fugir. Segundo Steven Flaherty, chefe de polícia do Estado da Virgínia, havia munição ainda sem usar no local.A polícia e a universidade foram criticadas pela demora em avisar os frequentadores do campus de que havia um atirador à solta.Flinchum disse que os policiais haviam chegado ao West Ambler Johnston dois minutos depois de serem alertados do crime ali e estavam interrogando um suspeito que havia deixado o campus quando o 911 recebeu o primeiro chamado sobre o Norris Hall.A polícia ainda tenta montar as peças dos preparativos de Cho, que em fevereiro havia comprado uma arma nos arredores do campus. A segunda arma foi comprada em março, numa localidade próxima, e Cho havia praticado com elas em estandes de tiro, segundo Flaherty.Cho, imigrante da Coréia do Sul que vivia nos EUA desde criança, também fez os vídeos que mandou à NBC News antes de 16 de abril, segundo a polícia. Ele colocou o material no correio entre os dois ataques no campus, mas havia filmado as imagens de antemão.Na quarta-feira, ocorreu em Seul uma cerimônia em homenagem às vítimas da Virginia Tech. Pastores rezaram diante da embaixada dos EUA na Coréia do Sul.O incidente continua provocando repercussões nos EUA. Na quarta-feira, um nova-iorquino de 17 anos foi indiciado por escrever uma carta ameaçando os participantes de um baile de formatura de terem o mesmo destino das vítimas do massacre. Ele disse que era brincadeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.