Massacre de paramilitares é investigado na Colômbia

O vice-presidente da Colômbia, Francisco Santos, anunciou hoje a abertura de uma investigação para apurar uma denúncia feita por um grupo de paramilitares segundo a qual soldados teriam executado dezenas de seus combatentes. O Bloque Metro, um grupo paramilitar que opera em Medellín e em zonas rurais do departamento (Estado) de Antioquia, assegurou que em 9 de agosto passado 24 de seus membros foram assassinados desarmados por tropas do Exército no município de Segovia, localizado a 300 quilômetros ao noroeste de Bogotá.Segundo Santos, os militares afirmam que ocorreram "combates" nos quais morreram os membros das autodefesas. Ele lembrou que tal denúncia é proveniente de "pessoas que estão na clandestinidade e que são ilegais", cuja credibilidade deve ser questionada.Os paramilitares afirmam em sua denúncia que eles colaboram freqüentemente com o Exército na zona do suposto massacre. No mesmo sentido, grupos humanitários, como a Anistia Internacional e o Human Right Watch, alertam que, apesar dos esforços governamentais, persistem as ligações entre os paramilitares e as tropas oficiais.Os militares sustentam que essa não é uma política da instituição e que se há vínculos "é por iniciativa pessoal de alguns membros do Exército, que serão castigado se forem descobertos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.