Massacre deixa pelo menos 180 mortos no Burundi

Rebeldes hutus e seus aliados, armadoscom pistolas e machetes, mataram pelo menos 180 pessoas em um "plano de genocídio" em um campo de refugiados congoleses da etnia tutsi no oeste do Burundi, disseram hoje testemunhas e autoridades locais.As Forças Hutus de Libertação Nacional (FNL) reivindicaram a autoria da matança, ocorrida na sexta-feira à noite, afirmando que visavam um "objetivo militar" perto do campo. O Burundi tem um acampamento militar localizado a 500 metros do campo de refugiados. Mas o Exército acusa a FNL de atacar deliberadamenteos civis.Isabelle Abric, porta-voz da missão da Organização das Nações Unidas (ONU) pera o Burundi, afirmou que a entidade estáenviando uma equipe de especialistas aos hospitais locais para verificar a condição das mortes dos civis.Refugiados denunciaram que o ataque foi planejado, citando panfletos anônimos que circularam na semana passada pela região,pedindo a morte para os banyamulenges, tribo da maioria dos refugiados tutsis congoleses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.