David Becker/Getty Images/AFP
David Becker/Getty Images/AFP

Massacre em Las Vegas era inevitável, afirmam especialistas em segurança

Características do ataque a tiros mais violento da história moderna dos EUA evidenciam dificuldades das autoridades para impedir tais ações; experts dizem não acreditar que hotéis da cidade, que atrai 43 milhões de turistas ao ano, elevarão medidas de segurança

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2017 | 11h18

LAS VEGAS - O ataque contra o público de um festival de música em Las Vegas abriu um debate sobre medidas de segurança em hotéis e eventos ao ar livre. Para especialistas, porém, pouco poderia ser feito para evitar o massacre.

Com 1 atirador em ação por dia, debate sobre porte de armas retorna nos EUA

"Era um incidente imprevisível. Ponto", disse Patrick Brosnan, ex-detetive da polícia de Nova York, dono de uma empresa de consultoria de segurança privada.

Brosnan e outros especialistas concordaram que o ataque a tiros mais violento da história moderna dos Estados Unidos - 59 mortos e mais de 500 feridos - evidencia a dificuldade que as forças de segurança encontram para estarem um passo à frente desse tipo de ataque.

O atirador, um contador público aposentado identificado como Stephen Paddock, de 64 anos, abriu fogo contra a multidão de seu quarto no 32º andar do hotel Mandalay Bay, antes de cometer suicídio, informou a Polícia. Sua motivação ainda é desconhecida.

"A ironia é que a segurança em Las Vegas é realmente muito boa, mas uma mente um pouco criativa e a vontade de fazer algo em um país livre geram coisas como essa", disse Tegan Broadwater, presidente e fundador da Tactical Systems Network, uma consultoria em segurança com sede no Texas.

Ele disse que certamente foi muito simples para Paddock levar até seu quarto o arsenal - que incluía ao menos 20 fuzis, centenas de cartuchos de munição e deveria pesar cerca de 45 quilos - com as relativamente flexíveis medidas de segurança nos hotéis.

"Os hotéis normalmente não vetam nenhum tipo de bagagem. Normalmente você aperta os botões, carrega as malas e leva para o seu quarto", completou.

E é muito pouco provável que seja implementada qualquer mudança para aumentar radicalmente a segurança nos hotéis de Las Vegas - a capital mundial do jogo, que atrai 43 milhões de visitantes por ano -, já que isso poderia espantar os turistas.

"Os hotéis e cassinos têm que encontrar um balanço para ter um local seguro e agradável", destacou Jason Porter, vice-presidente da Pinkerton, uma empresa de serviços de risco.

Para Brosnan, a instalação de detectores de metais e uma revista das bagagens nos hotéis poderiam ter um impacto no turismo da região, que gerou quase US$ 60 bilhões em 2016, segundo um estudo.

Quem viaja com a mentalidade de que "o que acontece em Las Vegas fica em Las Vegas" não deseja ter as bagagens revistadas. "Acontecem muitas despedidas de solteiro e as pessoas carregam maconha, ou álcool. Não querem enfrentar isso. Seria um pesadelo para os hotéis, que preferem não fazer", alegou.

O imprevisível

Richard Frankel, um ex-agente do FBI e professor de Segurança Interna na St. John's University, acredita que o ataque resultará em uma análise de novas medidas de segurança para eventos ao ar livre.

Ele destacou que os novos protocolos poderiam incluir a presença de franco-atiradores nos telhados dos edifícios próximos e o uso de drones e helicópteros.

A resposta seria mais rápida do que a registrada no domingo, explica. "Há muitas coisas que podem ser feitas. Depende apenas do nível ao qual se deseja chegar, o gasto que querem fazer", completou.

Brosnan acredita que seria útil uma política que obrigue os policiais a permanecerem armados quando estão fora de serviço, pois ajudaria a reduzir o número de vítimas. "São treinados para entrar em ação e neutralizar qualquer ameaça", comentou.

Já outros especialistas, que pediram anonimato, insistiram que é pouco provável que, mesmo com toda a segurança do mundo, as autoridades consigam impedir tais ações.

Eles citaram os ataques recentes em outros países, como o atentado com homem-bomba em maio na saída de um show de Ariana Grande em Manchester, que deixou 22 mortos, e o ataque à casa de espetáculos Bataclan de Paris, em 2015, que deixou 99 vítimas.

"Não há forma real de prevenir o imprevisível", disse Brosnan. "Se você reforça a segurança em hotéis, o agressor vai para o parque, ou para um local diferente, como um jogo de hóquei", completou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.