Massacre em mina matou 34

No dia 16 de agosto, policiais sul-africanos abriram fogo contra centenas de mineiros em greve na jazida de platina de Lonmin, em Marikana, matando a tiros 34 manifestantes. Outros confrontos ocorridos durante a paralisação de seis semanas elevaram o número de mortos para 45. Na quarta-feira, os cerca de 28 mil funcionários da mineradora concordaram em voltar ao trabalho, após um reajuste salarial de 11% a 22% oferecido pela diretoria da companhia. Empresários e sindicalistas criticaram o aumento que, de acordo com eles, abre precedentes para protestos semelhantes no país. O massacre dos mineiros foi a mais violenta ação do Estado sul-africano ocorrida desde o fim do apartheid. / REUTERS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.