Matadores mostram obsessão por armas em imagens

Há pelo menos um ponto de semelhança entre os casos de atiradores que deixaram suas marcas em histórias de cidades pacatas e universidades. Vídeos e fotos mostram as imagens dos assassinos exibindo armas potentes e vestindo roupas que lembram personagens de filmes de ação.No caso mais recente, o de Cho Seung-hui, sul-coreano de 23 anos que matou 32 pessoas antes de se suicidar na universidade Virginia Tech, as fotografias e vídeos enviados à emissora NBC em Nova York, pelo próprio atirador, mostram uma pessoa com fisionomia agressiva e desequilibrada. Nas roupas, o sinal da agressividade insana que estava prestes a acontecer. As armas são exibidas de forma assustadora. Em uma delas, ele aproxima a arma para a lente da máquina de forma muito intimidadora.A inspiração para talvez a mais inexplicável imagem que Cho enviou à NBC pode ter sido um filme sul-coreano que foi premiado no Festival de Cannes de 2004. A pose de Cho segurando um martelo é similar à do ator do filme Oldboy.As mesmas características das imagens de Cho são vistas nas imagens deixadas por Kimveer Gill, de 25 anos, que matou uma pessoa e feriu outras 19 em uma faculdade de Montreal, no Canadá, em setembro de 2006. O jovem de casaco longo e cabelo moicano mantinha mais de 50 fotos em seu blog hospedado no site vampirefreaks.com. Lá, exibia-se com um rifle, uma faca, e estava vestido com um longo casaco negro e coturno.Uma das fotos tinha a inscrição do seu nome e abaixo a frase "Viveu rápido e morreu jovem. Deixou um cadáver desfigurado." Lá, ele também dizia que gostava de jogar "Super Columbine Massacre", game da internet que simula os tiroteios ocorridos em abril de 1999 em uma escola do Colorado. No incidente, dois estudantes vestidos com casacos militares mataram 13 pessoas antes de cometerem suicídio.Um dos atiradores de Columbine também chegou a aparecer, meses antes do ataque, em imagens que estampavam agressividade. Dyland Kleboldaparece com uma potente arma de fogo e usando um casaco negro e longo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.