Material radioativo continua a sumir do Iraque

As instalações nucleares do Iraque continuam sem vigilância e materiais radioativos estão sendo contrabandeados para fora do país, informa a agência de fiscalização nuclear das Nações Unidas, depois de verificar imagens feitas por satélite e inspecionar equipamentos que apareceram em depósitos de ferro-velho na Europa.A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) enviou uma carta a autoridades americanas três semanas atrás, dando conta dessas descobertas. Uma carta sobre o assunto, assinada pelo presidente da AIEA, Mohamed El-Baradei, também foi encaminhada ao Conselho de Segurança da ONU, onde foi divulgada. A AIEA ainda aguarda satisfações do governo americano. Os EUA virtualmente cortaram toda a colaboração com a AIEA em relação ao Iraque após a invasão do país.Segundo a carta de El-Baradei ao Conselho de Segurança, imagens de satélite mostram ?remoção extensiva de equipamentos e, em alguns casos, de edifícios inteiros?. Além disso, ?grandes quantidades de sucata, parte dela contaminada, foi transferida do Iraque para outros locais?.Em janeiro, a AIEA confirmou que o Iraque era a fonte mais provável do material radioativo conhecido como yellowcake, ou óxido de urânio, encontrado num navio de sucata em Roterdã (Holanda). O yellowcake pode ser usado na criação de armas nucleares, desde que em grandes quantidades e com a aplicação de alta tecnologia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.