Material radioativo desaparece de usinas no Iraque

Aproximadamente 20% dos materiais radioativos que deveriam estar armazenados na maior instalação nuclear iraquiana desapareceram do local. Especialistas americanos encontraram traços de radioatividade no solo de onde saqueadores roubaram os barris com material perigoso. No entanto, um oficial militar disse que a maior parte dos barris do complexo nuclear de Al-Tuwaitha está bem guardada e não houve vazamento de radiação.Não se sabe ao certo quantos barris foram subtraídos. Aproximadamente 100 haviam sido previamente catalogados e selados pelos inspetores de armas da ONU. Saqueadores passaram repetidas vezes por Al-Tuwaitha, local que era considerado, no passado, o coração do programa nuclear do regime deposto de Saddam Hussein. O local foi desativado há anos. Os iraquianos o utilizavam para armazenar materiais proibidos, lacrados pela Agência Internacional de Energia Atômica, subordinada à ONU.A instalação nuclear ficou sem vigilância durante a guerra promovida por Estados Unidos e Grã-Bretanha. Após o término do conflito, formou-se um vácuo de poder e passaram-se dias até que os militares americanos chegassem. Quando chegaram, a destruição provocada pelos saqueadores era tamanha que era impossível determinar exatamente o que faltava.Antes de os soldados montarem guarda no complexo, jornalistas viram diversos saqueadores retirando barris e despejando o conteúdo, que coincidia com a descrição de dióxido de urânio. Eles encheram os barris de água e, desde então, há notícias de que algumas pessoas sofreram problemas de saúde.A AIEA criticou duramente os Estados Unidos pela forma como seus militares trataram o local. Ontem, o secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld, comentou que o governo americano aceitaria o retorno dos inspetores da entidade para ajudar seus soldados nas instalações nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.