Giorgio Fanciulli/AP
Giorgio Fanciulli/AP

Mau tempo ameaça busca de sobreviventes do naufrágio na Itália

Empresa responsável pelo navio mencionou um 'significativo erro humano' do capitão da embarcação

Efe,

16 de janeiro de 2012 | 08h32

ROMA - O temporal previsto para as próximas horas na região da ilha italiana de Giglio, onde na noite da sexta-feira naufragou o cruzeiro "Costa Concordia", ameaça as tarefas para localizar as 16 pessoas que continuam desaparecidas.

 

Veja também:

som Passageiros brasileiros do Costa Concordia já foram resgatados, confirma embaixador

som Passageiro do Costa Concordia diz que não tem medo e embarcaria em outro cruzeiro amanhã

link Costa Cruzeiros culpa comandante pelo naufrágio

link Alívio marca volta de 1º grupo ao Brasil

link Passageiro registra o pânico durante resgate

link 'Nos deram 50 euros e não deram informações' 

som 'Estadão ESPN': Ouça repórter que estava no navio

Além disso, o mau tempo pode complicar também os trabalhos de retirada das 2.400 toneladas de combustível, embora, por enquanto, não exista risco de vazamento.

Os mergulhadores do corpo de Bombeiros e as equipes de resgate prosseguiram sem pausa suas tarefas de busca e durante a madrugada acharam o corpo de um passageiro, por isso chega a seis o número de mortos no acidente.

O corpo do homem estava em uma parte ainda não inundada e ele estava com o colete salva-vidas. Segundo a unidade de crise que continua com a busca dos desaparecidos, ainda falta localizar dez passageiros e seis membros da tripulação.

Entre estas pessoas está a peruana Erika Soria, de 26 anos, integrante da tripulação, de quem não há notícias desde que foi vista saltando em uma das lanchas.

No domingo, os Bombeiros encontraram os corpos de outras duas pessoas, entre elas o espanhol Guillermo Gual, de 68 anos, que fazia parte de um grupo procedente de Palma de Mallorca e o italiano Giovanni Masia, de 86 anos, de Portoscuso (ilha de Sardenha), que viajava com sua esposa de 83 anos, seu filho, a nora e dois netos.

Os outros três mortos são um peruano membro da tripulação e dois turistas franceses. No domingo foram resgatadas com vida três pessoas, dois passageiros e um membro da tripulação, que tinham ficado presos no navio, mas as equipes de socorro são pessimistas sobre a possibilidade de achar mais pessoas vivas.

A Costa Cruzeiros, empresa responsável pelo "Costa Concordia", mencionou em comunicado um "significativo erro humano" do capitão da embarcação como possível causa do naufrágio. Nesta segunda-feira, 16, o presidente e executivo-chefe da companhia, Pier Luigi Foschi, dará uma entrevista coletiva na sede da empresa em Gênova. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Itálianaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.