Mau tempo atrasa saída de brasileIros da Líbia

Navio que resgatará 148 brasileiros de Benghazi aguarda melhora das condições climáticas

BBC Brasil, BBC

25 de fevereiro de 2011 | 07h18

O mau tempo está retardando nesta sexta-feira a volta de 148 brasileiros que continuam à espera do retorno em Benghazi, no litoral leste da Líbia.  O navio fretado pela construtora Queiroz Galvão para buscar cerca de 180 de seus funcionários - os outros são de nacionalidade portuguesa, espanhola e tunisiana - chegou na tarde da quinta-feira ao porto, mas precisa aguardar a melhora das condições meteorológicas para que a fila de embarcações esperando para atracar no porto volte a andar.  

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

documento Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise: Hegemonia de Kadafi depende de Exército fraco

 

Só então será liberado um píer para que o navio possa iniciar o embarque dos passageiros.  A Embaixada do Brasil em Atenas, para onde os brasileiros serão levados, informou que, em condições normais, a viagem leva 17 horas. Se saírem hoje de Benghazi, os brasileiros só desembarcariam no porto de Pireu, para onde o navio se dirigirá, no sábado, disse um porta-voz da Embaixada.

O governo líbio retém os passaportes de estrangeiros que vivem no país, por isso os funcionários da empreiteira viajam sem passaporte.  A representação brasileira considera que sua principal tarefa, além da assistência geral aos brasileiros, é emitir rapidamente todos os documentos de autorização para retorno ao Brasil.

Houve tentativas prévias de buscar os brasileiros em Benghazi por via aérea, mas há relatos de que a pista do aeroporto da cidade foi destruída no início da semana em meio à instabilidade na região.

Na quinta-feira, um primeiro voo fretado chegou à ilha de Malta, no Mediterrâneo, com 446 funcionários da Odebrecht que estavam na capital líbia, Trípoli, incluindo 114 brasileiros.

A empresa anunciou que fretaria três aviões para retirar funcionários e seus familiares do país norte-africano, palco de protestos contra o regime do líder Muamar Khadafi desde 15 de fevereiro. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.