Mau tempo e problemas de campanha desafiam convenção republicana

Evento do partido, que visava mostrar agenda e enaltecer o candidato à Casa Branca Mitt Romney, é modificado devido a tempestade tropical.

Pablo Uchoa, BBC

27 de agosto de 2012 | 05h03

A tempestade tropical Isaac, que ameaça virar furacão durante a sua passagem pelo Golfo do México e parte da Flórida, põe em risco não apenas o cronograma, mas a própria mensagem da convenção do Partido Republicano, que indicará Mitt Romney oficialmente como o candidato da agremiação à Casa Branca.

O evento, que estava marcado para começar nesta segunda-feira em Tampa, na Flórida, já sofreu duas modificações significativas por causa do mau tempo.

Primeiro, a formalidade da escolha de Romney por meio da votação dos delegados, que seria na quarta-feira, foi antecipada para a primeira noite. Depois, os organizadores do evento decidiram cancelar quase todo o cronograma da segunda-feira, empurrando o procedimento formal para terça.

Os discursos que foram cancelados serão remanejados para os dias seguintes, e o ápice do evento, a participação de Romney em si, continua prevista para a quinta-feira.

"A segurança daqueles que estão no caminho da Isaac é de maior importância", disse Romney via Twitter, aprovando as mudanças de cronograma feitas pela organização.

Mensagem

Mas analistas têm apontado que o maior dano das mudanças não é obrigar o partido a concentrar em três dias o que planejava fazer em quatro - isto já ocorreu em 2008, quando o furacão Gustav levou ao cancelamento do primeiro dia de atividades da convenção republicana em Saint Paul, Minnesota.

O desafio será conseguir passar uma mensagem favorável a Romney em uma campanha já arranhada pelo tom majoritariamente negativo e pelo ''fogo amigo'' das divisões internas do partido.

O tema da segunda-feira seriam as propostas do partido na criação de emprego, crescimento econômico e saúde pública - assuntos em que Romney acredita levar vantagem sobre o candidato à reeleição, Barack Obama.

Ao apontá-lo formalmente como aspirante logo de cara, o partido esperava aproveitar o entusiasmo inicial da imprensa, garantindo uma largada com o pé direito para os 70 dias finais da campanha.

Estes objetivos agora disputam a atenção da mídia com um potencial desastre natural. Mas os organizadores da convenção se mostraram confiantes em que podem vencer a adversidade.

"Vamos absolutamente conseguir botar a nossa mensagem na rua", disse a jornalistas em Tampa o estrategistas da campanha, Russ Schriefer.

Ruídos

A convenção está sendo apontada como uma oportunidade para o partido passar uma mensagem clara em favor de Romney - que, apesar de oferecer boa resistência, provavelmente ainda perderia para Obama se as eleições fossem hoje, segundo a maioria das pesquisas.

As divergências internas do partido sobre assuntos que Romney considera um "ruído" na sua campanha - como as declarações do deputado e candidato republicano ao Senado por Missouri, Todd Akin, sobre aborto e "estupro legítimo" - apenas aumentaram a desconfiança do eleitor na chapa republicana.

Avesso a falar de temas de sua vida pessoal, Romney nunca procurou explorar os momentos de superação de desafios com os quais poderia estabelecer uma maior conexão com os eleitores - algo que Obama faz magistralmente.

Uma aposta dos organizadores da convenção republicana para ressaltar esses episódios de superação é o discurso da esposa de Romney, Ann, ela mesma diagnosticada com esclerose múltipla anos atrás.

Além disso, para a convenção ser um sucesso, precisaria também transformar Romney em um candidato mais agradável para os eleitores nos Estados que ainda não demonstraram uma inclinação clara por um partido ou por outro.

Desde o início da pré-campanha, quando ainda disputava a nomeação com outros pré-candidatos do partido, o republicano tem sido retratado como um político sem opiniões definidas, distante das pessoas comuns, disposto a fazer o que for necessário para se eleger.

Neste fim de semana, a revista britânica "Economist", que circula entre formadores de opinião em ambos os lados do Atlântico, cobrou de Romney uma definição mais clara de suas políticas, estampando-o na sua capa com os seguintes dizeres: "Então, Mitt, em que você acredita de verdade?" BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.