Mauritânia diz que 47 migrantes morreram após uma semana no mar

Pelo menos 47 migrantes morreramapós mais de duas semanas à deriva em dois barcos na costaoeste da África, ao tentar sem sucesso chegar às ilhasCanárias, na Espanha, disseram fontes policiais da Mauritâniana terça-feira. Soldados do país descobriram 42 corpos no mar perto dacidade portuária de Nouadhibou (norte, fronteira com oterritório marroquino do Saara Ocidental), segundo as fontes. Outros cinco migrantes morreram após darem entrada numhospital, mas as autoridades ainda conseguiram resgatar 96outros, que estão sendo mantidos num centro de detenção deNouadhibou e devem ser repatriados dentro de 48 horas. "Eles passaram 19 dias no mar", disse uma das fontes. "Sãoprincipalmente senegaleses, gambianos e malineses." As autoridades acreditam que os barcos zarparam do vizinhoSenegal e viajaram junto à costa antes de iniciarem a travessiade 110 quilômetros até Fuerteventura, a ilha das Canárias maispróxima do continente. Muitos migrantes ilegais, buscando desesperadamente umavida melhor na Europa, pagam milhares de dólares por um lugarnum barco de pesca improvisado e superlotado, numa viagemperigosíssima que mata centenas por ano. (Por Ibrahima Sylla)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.