AFP PHOTO / Adrian DENNIS
AFP PHOTO / Adrian DENNIS

May mantém postos-chave do gabinete após derrota política em eleição

Ministro da Economia, Philip Hammond, e o secretário de Exterior Boris Johnson - dois potenciais rivais dela dentro do partido em caso de uma troca de comando - seguirão no cargo, além do negociador chefe do Brexit, David Davis

O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2017 | 14h32

LONDRES - Resistindo a pedidos para renunciar após a derrota política sofrida nas eleições gerais britânicas, a primeira-ministra Theresa May disse nesta sexta-feira, 9, que manterá no gabinete seus principais ministros. O ministro da Economia, Philip Hammond, e o secretário de Exterior, Boris Johnson, - dois potenciais rivais dela dentro do partido em caso de uma troca de comando - seguirão no cargo, além do negociador chefe do Brexit, David Davis. 

Agora, May negocia o apoio dos unionistas da Irlanda do Norte (DUP) para conseguir uma coalizão com maioria dos votos. Ainda assim, mesmo com o apoio do DUP, ela teria uma coligação com dois deputados a menos que o governo atual, formado apenas por seu partido (328 contra 330). 

Além dos três principais membros do gabinete, May manterá também a secretária do Interior, Amber Rudd, e o da Defesa, Michael Fallon. 

Os outros postos do governo podem passar por uma mudança para acomodar facções do Partido Conservador descontentes com a aposta de May, que antecipou a eleição para aumentar a bancada e ter mais poderes para negociar o Brexit e acabou perdendo apoio popular. 

"Formarei um gabinete para trabalhar em pro dos interesses nacionais", disse May à BBC.  Os unionistas do DUP ainda não responderam sobre o convite de formação de coalizão.

Resultados finais da eleição dão 318 deputados para os Conservadores, 261 para os trabalhistas, 35 para o Partido Nacionalista Escocês, 12 para os liberal-democratas e 10 para o DUP. Antes da votação, May tinha 330 deputados, quando são necessários 326 para a maioria. / AP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.