McAfee chega aos EUA após um mês em fuga

O retorno aos Estados Unidos de John McAfee, fundador da empresa de antivírus que leva seu sobrenome, marca do mais recente capítulo da estranha jornada do empresário, que durante um mês evitou ser interrogado sobre um assassinato ocorrido em Belize.

AE, Agência Estado

13 de dezembro de 2012 | 15h49

Britânico de nascimento, mas também detentor de cidadania norte-americana, o empresário de 67 anos foi levado a um hotel de Miami após chegar, na noite de quarta-feira, num voo proveniente da Guatemala, de onde foi deportado por ter entrado ilegalmente no país.

A polícia quer interrogá-lo sobre sua participação na morte de um expatriado norte-americano que morava perto dele numa ilha na costa de Belize. McAfee afirma que ele não matou o vizinho e achou que sua vida correria risco caso se apresentasse às autoridades de Belize. Ele não foi indiciado por qualquer crime e não está claro por que as autoridades norte-americanas têm interesse em interrogá-lo.

Em entrevista concedida à ABC, McAfee disse que fingiu estar doente na Guatemala. Perguntado se seu suposto problema cardíaco no tribunal foi uma fraude, ele respondeu que "claro que sim. Isso impediu que eu voltasse para Belize."

Ele disse que seus bens e dinheiro continuam em bancos de Belize e que ele saiu da Guatemala apenas com suas roupas. Ele carregava um monte de notas de US$ 5 e disse que um estranho as deu a ele, após ter chegado a Miami. McAfee também declarou que criou histórias no período em que estava em fuga para atrair a cobertura da mídia, embora não esteja claro a quais partes de seus relatos ele se referiu. "O que é melhor do que a história de um louco milionário em fuga", disse ele à ABC.

Contatado por telefone em seu hotel, McAfee disse a um repórter da AP que não podia falar porque estava esperando uma ligação de sua namorada, a belizenha Samantha Vanegas, de 20 anos. Vanegas acompanhou o empresário durante sua fuga, mas não foi com ele para os Estados Unidos.

McAfee evitou ser interrogado sobre o assassinato, em novembro, o expatriado norte-americano Gregory Viant Faull, que vivia perto da casa de McAfee, em Caye, na costa de Belize.

McAfee reconheceu que seus cachorros eram incômodos e que Faull havia reclamado deles alguns dias antes de os animais serem envenenados, mas nega ter assassinado o vizinho. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAMcAfeefugaGuatemala

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.