McCain critica propostas democratas para setor de saúde dos EUA

O candidato republicano à Presidência dosEstados Unidos, John McCain, criticou seus rivais democratas nasegunda-feira devido à sua abordagem de "grande governo" nosetor de saúde. Ele afirmou que enfatizará a redução de custose a extensão da cobertura. McCain lançou uma campanha de uma semana para marcar amudança no foco de seus planos para a saúde. Ele irá visitar umhospital infantil de Miami e terá uma conversa com pais decrianças doentes, forçados a suportar grandes problemas com osplanos de saúde e os custos. "A América pode ter um sistema de saúde caracterizado pormelhor prevenção, atendimento coordenado, relatórios de saúdeeletrônicos, e expansão de limites -- e com preços maisbaixos", disse McCain. Ele apontou suas diferenças com os democratas que estão nabatalha para uma vaga na competição das eleições presidenciaisde novembro -- o senador por Illinois Barack Obama e a senadorapor Nova York Hillary Clinton. O debate sobre o sistema de saúde norte-americano é um dosassuntos mais importantes da campanha. Ambos os democratas têm o objetivo de alcançar umacobertura universal para os 47 milhões de norte-americanos semseguro saúde. Clinton ordenaria um tipo de cobertura para todosos indivíduos, enquanto Obama ordenaria somente um plano paracrianças. "Esta é a diferença fundamental entre mim e o senador Obamae a senadora Clinton. Eles querem que os governos tomem asdecisões, eu quero que as famílias tomem as decisões", disseele a repórteres. O plano de McCain inclui um imposto de 2.500 dólares paraindivíduos e 5 mil dólares para famílias. Seria possíveladquirir planos de saúde por meio de qualquer organização,reduzindo mas não eliminando a dependência de planos fornecidospor empregadores. REUTERS MR FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.