McCain diz que teria demitido autoridade financeira

O candidatorepublicano à Casa Branca, John McCain, disse na quinta-feiraque uma importante autoridade financeira do governo Bushdeveria ser demitida por não ter regulamentado as atividades deWall Street e permitido que os mercados fossem usados como umcassino. Os comentários de McCain sobre Christopher Cox, presidenteda SEC, o órgão regulador do mercado acionário norte-americano,visam estabelecer uma distância entre o candidato e o impopularpresidente George W. Bush, além de provar que McCain estariadisposto a promover reformas profundas e duras. No mesmo dia, a campanha dele criticou o rival Barack Obamapor não dizer claramente se aprovou ou não a encampação daseguradora AIG pelo governo, na terça-feira, a um custo de 85bilhões de dólares. Cox é um ex-deputado republicano, e a SEC é um órgãopúblico encarregado de proteger investidores e fiscalizar osmercados financeiros, a exemplo da Comissão de ValoresMobiliários (CVM) no Brasil. "O regulador primário de Wall Street, a SEC, manteve emvigor regras comerciais que permitiram aos especuladores efundos de 'hedge' transformar nossos mercados em um cassino",disse McCain num comício na Flórida. "O presidente da SEC serve por nomeação do presidente, e naminha opinião ele traiu a confiança do público. Se eu fosse opresidente hoje, eu o demitiria." A Casa Branca pareceu surpreendida com a declaração, e aporta-voz Dana Perino disse que Bush mantém a confiança em Cox. McCain também tentou vincular Obama a ex-funcionários dasinstituições hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac, tambémamparadas neste mês pelo governo. McCain disse que Obama foi osegundo senador que mais recebeu contribuições eleitorais deexecutivos das duas empresas. "De que lado vocês acham que ele está? Quando propus umalegislação para reformar a Fannie Mae e o Freddie Mac, osenador Obama ficou em silêncio", disse o republicano. As pesquisas mostram que Obama tem mais confiança doeleitorado para comandar a economia, uma impressão que pode terse aprofundado depois de McCain declarar que os fundamentos daeconomia dos EUA estão sólidos. Nesta semana, o republicano defendeu mais regras para omercado financeiro, contrariando sua tradicional oposição àintervenção do Estado. O senador democrata Harry Reid afirmou que McCain agoraataca Obama porque está habituado a "ir atrás da primeirapessoa que der para desviar a atenção dos seus próprios erros". Seu colega de partido Charles Schumer disse que tantoMcCain quanto Bush manifestaram apoio à eliminação deregulamentações, e que talvez fosse o caso de McCain "pedir aBush que se demitisse, em vez de Cox". (Reportagem adicional de Jeremy Pelofsky)

JEFF MASON, REUTERS

18 de setembro de 2008 | 17h22

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOMCCAINATUAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.