McCain e Obama declaram trégua política para o 11 de setembro

Os adversários na eleiçãopresidencial dos Estados Unidos John McCain e Barack Obamasuspenderam, nesta quinta-feira, a disputa pela Casa Brancapara lembrar o sétimo aniversário dos atentados de 11 desetembro, e inclusive apareceram juntos. Durante todo o dia, eles não exibiram propaganda eleitorale, algo raro, foram ao mesmo local, o terreno onde ficavam astorres gêmeas do World Trade Center. Apertaram as mãos edesceram lado a lado a rampa que dá acesso ao local, onde foramsaudados por policiais e bombeiros. Ambos depositaram rosas numespelho d'água que simboliza as torres e mantiveram a cabeçabaixa por 15 segundos. Houve cerimônias alusivas à data também no Pentágono e naPensilvânia, onde outros dois aviões caíram naquele dia. Aotodo, os ataques da Al Qaeda mataram quase 3.000 pessoas. De manhã, McCain participou de uma cerimônia emShanksville, na Pensilvânia, onde caiu o vôo 93 da UnitedAirlines, que supostamente seria atirado por sequestradorescontra o Capitólio (Congresso). "Nenhum norte-americano vivo deve jamais esquecer oheroísmo que ocorreu nos céus acima deste campo em 11 desetembro de 2001", disse McCain, aludindo aos passageiros que,em luta com os sequestradores, derrubaram o avião. O republicano depositou flores no local e ouviu o nome dospassageiros sendo lidos ao som de sinos, como ocorre todo osanos. Obama almoçou com o ex-presidente Bill Clinton antes deencontrar McCain no chamado "Ground Zero". "Nunca vamos esquecer os que morreram. Vamos sempre lembrardos esforços heróicos dos nossos bombeiros, policiais, equipesde emergência, e dos que sacrificaram as próprias vidas no vôo93 para proteger seus compatriotas americanos", disse Obama emnota. "Lembremos que os terroristas responsáveis pelo 11 deSetembro continuam à solta, e devem ser trazidos à Justiça.Tenhamos resolução para derrotar as redes terroristas", disse. Pesquisa CNN divulgada na quinta-feira mostrou que a ameaçado terrorismo é a quarta questão mais importante para oseleitores dos EUA, atrás da economia (preocupação de mais dametade), da guerra do Iraque e da saúde. McCain, ex-prisioneiro de guerra no Vietnã, tem amplapreferência entre os eleitores que priorizam questões desegurança e política externa, segundo as pesquisas. Até recentemente, McCain dava muita ênfase à sua maiorexperiência, tema que sumiu depois de ele escolher como vice aquase desconhecida governadora do Alasca, Sarah Palin, de 44anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.